Arquivo/AE
Arquivo/AE

Mulheres de classes mais elevadas fazem mais exames de mamografia

IBGE aponta também alta de 25% das mulheres que fazem exames para câncer no colo do útero

Jacqueline Farid, da Agência Estado

31 Março 2010 | 11h07

Em 2008, segundo o suplemento de saúde da PNAD divulgado nesta quarta-feira, 31, 31,6 milhões de mulheres de 25 anos ou mais de idade haviam se submetido, ao menos uma vez, ao exame de mamografia. Entre as mulheres no grupo dos 50 aos 69 anos de idade, 71,1% fizeram o exame, com índice maior (95,6%) entre aquelas de classe mais elevada.

 

Veja também:

linkBrasil tem mais de 24 milhões de fumantes habituais, aponta PNAD 2008 

linkPorcentual de brasileiros que têm plano de saúde sobe para 26,3%

linkBrasileiros avaliam própria saúde como 'muito boa'  

 

Entre as mulheres que viviam em domicílios com rendimento mensal domiciliar per capita superior a cinco salários mínimos, 81,1% haviam se submetido a exame de mamografia e nos domicílios onde o rendimento era inferior a um quarto do salário mínimo, apenas 28,8% tomaram a iniciativa.

 

Entre 2003 e 2008, segundo a pesquisa, houve aumento de 48,8% no contingente de mulheres que já haviam se submetido a uma mamografia. Em 2003, elas respondiam por 42,5% da população feminina de 25 anos ou mais de idade e, em 2008, alcançaram 54,8%. Entre as mulheres com rendimento domiciliar per capita inferior a um quarto do salário mínimo, as proporções foram de 20,2%, em 2003, para 29,1% em 2008.

 

A pesquisa mostra também que, de 2003 a 2008, cresceu 25% o total de mulheres que já haviam feito preventivo para câncer no colo do útero. Enquanto a população feminina de 25 anos ou mais cresceu 15,6% no período, o conjunto das mulheres no mesmo grupo etário que fizeram preventivo para câncer no colo do útero cresceu 25%. Em 2008, cerca de 49 milhões de mulheres de 25 anos ou mais de idade já haviam se submetido a exame preventivo para câncer no colo do útero, de acordo com a pesquisa.

Mais conteúdo sobre:
mamografia Brasil PNAD 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.