Nasa anuncia prêmio de US$ 5 milhões para tecnologias futuristas

Um dos prêmios será disputado pela criação de um robô solar capaz de funcionar durante a noite

estadao.com.br

13 Julho 2010 | 13h54

Dois dos desafios em andamentos têm como objetivo viabilizar um elevador espacial. Divulgação

 

A Nasa anunciou três novos Desafios do Centenário, com um prêmio global de US$ c5 milhões. Os desafios são competições para o desenvolvimento de novas tecnologias, que devem ser criadas por grupos privados e sem financiamento estatal.

 

O primeiro desafio, chamado Lançamento de Nano-Satélite, vale US$ 2 milhões e consiste em realizar, duas vezes numa mesma semana, o lançamento de pequenos satélites à órbita terrestre.

 

O Desafio Robô Noturno exige a demonstração do funcionamento de um veículo de exploração movido à energia solar mas que consiga operar no escuro, usando energia acumulada. O prêmio, neste caso, é de US$ 1,5 milhão.

 

O Desafio Robô de Coleta de Amostra é demonstrar o funcionamento de um robô capaz de localizar e retirar amostras geológicas de um terreno amplo e diverso sem controle humano. O prêmio também é de US$ 1,5 milhão.

 

Desde 2005, a Nasa já lançou 19 competições do tipo, e pagou prêmios de US$ 4,5 milhões. Atualmente há três desafios em andamento. O Desafio do Cabo Forte, no qual as equipes devem demonstrar um material para cabos que seja pelo menos 50% mais forte que os disponíveis comercialmente. A prova final está prevista para 13 de agosto.

 

O Desafio da Energia Irradiada, no qual os competidores têm de usar raios laser para enviar a um aparelho energia suficiente para fazê-lo escalar um cabo vertical de mais de 800 metros de altura. O teste também deve acontecer nos próximos meses.

 

Por fim, com a competição marcada para julho de 2011, há o Desafio do Voo Verde, que pede a criação de um aparelho aéreo capaz de voar 300 km em menos de duas horas usando energia equivalente a menos de 4 litros de gasolina por passageiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.