Nasa/Divulgação
Nasa/Divulgação

Nasa aproveitará passagem de asteroide para estudar sua composição

Agência tentará usar imagens de alta resolução para estudar a composição mineral do corpo celeste

estadão.com.br,

06 Maio 2011 | 11h59

SÃO PAULO - Os cientistas da Nasa estão empolgados com a passagem do asteroide 2005 YU55 a 325 mil km da Terra em novembro. O corpo celeste não representa perigo para o nosso Planeta, mas poderá revelar detalhes importantes para a ciência.

Veja também:

link Grande asteroide passará 'raspando' pela Terra em novembro

link Radar elimina risco de colisão com asteroide 2005 YU55 por 100 anos

Os pesquisadores aproveitarão a oportunidade, que só é comparável ao que ocorrerá em 2028, quando o asteroide 2001 WN5 deverá chegar ainda mais perto da Terra, para estudar a superfície do asteroide. A passagem do corpo celeste tão próximo assim é relativamente comum, acontece mais ou menos a cada 25 anos. O que torna esta passagem importante é que agora os pesquisadores possuem instrumentos para estudá-los apropriadamente."Quando objetos deste tamanho passaram próximos à Terra no passado, nós não tínhamos o conhecimento e a tecnologia par nos aproveitarmos destas oportunidades", explica a cientista Barbara Wilson.

Este asteroide tem cerca de 400 metros de diâmetro e foi descoberto em 2005 por Robert McMillan. Em 2010, Mark Nolan e sua equipe do Observatório de Arecibo, em Porto Rico, conseguiram reproduzir imagens do asteroide enquanto ele estava a 2,3 milhões de quilômetros da Terra. Quando ele passar próximo ao planeta em 8 novembro deste ano, estará sete vezes mais próximo, o que possibilitará melhores imagens para os cientistas, que utilizarão o radar Goldstone para isso.

Espera-se uma resolução de imagem de 4 metros por pixel. A expectativa pela qualidade da imagem é tão grande, que os cientistas esperam poder estudar a composição mineral do asteroide, que faz parte do tipo C, os possíveis representantes dos materiais primordiais que formaram nosso sistema solar.

Mais conteúdo sobre:
asteroide corpo celeste espaço

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.