Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Saúde

Saúde » Notificação federal de zika deve mudar

Saúde

USDA/Divulgação

Notificação federal de zika deve mudar

Ministério deve analisar dados coletados em laboratórios sentinela para, então, decidir sobre forma de informar sobre a doença

0

Lígia Formenti,
O Estado de S. Paulo

06 Janeiro 2016 | 03h00

BRASÍLIA - O diretor do Departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch, afirmou em entrevista ao Estado que a pasta deverá analisar nos próximos dias os dados sobre zika coletados nos chamados laboratórios sentinela e, a partir daí, uma decisão será adotada sobre o formato de notificação da doença. “Considero promissora a ideia de adotarmos um modelo híbrido, que amplie o número de laboratórios que fazem as coletas, mas que não seja universal, como o que está sendo feito em Pernambuco e Bahia”, afirmou.

Como não há um kit de diagnóstico que consiga identificar a presença de anticorpos de zika no sangue, o acompanhamento da infecção é feito por meio de centros avançados de pesquisa. Unidades de atendimento escolhidas pelo ministério ficam encarregadas de acompanhar o número de casos atendidos e fazer exames em parte dos pacientes para serem enviados para análise de especialistas. Os dados são analisados por amostras e depois projetados para toda população. A ideia de Maierovitch é ampliar esse número de espaços de coleta, para que essa amostra seja ainda maior.

Ele reconheceu ser “tentador” partir para um formato de notificação compulsória, em que todos os casos suspeitos são notificados, desde que a presença do vírus seja comprovada na região. Esse é o modelo usado, por exemplo, para dengue e chikungunya, doenças transmitidas pelo mesmo vetor do zika vírus, o Aedes aegypti

“Mas no caso da zika, em que 80% dos casos são assintomáticos e as queixas apresentadas pelos pacientes podem ser confundidas com outras doenças, essa avaliação pode ser questionável. Fica a impressão que podemos estar sempre enxergando apenas a ponta do iceberg”, completou.

Ainda em análise. A definição, que será tomada nos próximos dias, deverá analisar tanto os dados coletados nos centros sentinela quanto a experiência de Pernambuco e Bahia, que já adotaram a notificação universal. 

 

Mais conteúdo sobre:

Comentários