Nova Zelândia confirma 11 casos e 7 países têm gripe suína

Além do país, México, Estados Unidos, Canadá, Espanha, Escócia e Israel registram casos da doença

Claudia Trevisan, correspondente de O Estado de S. Paulo

28 Abril 2009 | 10h19

O governo da Nova Zelândia anunciou que 11 pessoas no país foram contaminadas pela gripe suína em uma recente viagem ao México, nos primeiros casos registrados na região Ásia-Pacífico. Existe a suspeita de que outras 43 possam ter contraído o vírus no país. Com a confirmação, o número de países que registram casos da doença sobe para 7: México, Estados Unidos, Canadá, Espanha, Escócia, Israel e Nova Zelândia.

 

Veja também:

blogBlog Núcleo de Saúde: respostas sobre a gripe

linkConheça as medidas anunciadas pelo mundo contra a gripe suína

linkEspecialista pede cuidado com números da gripe suína

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde

especialEntenda a doença e saiba como ela é transmitida

especialVeja como é a ação do vírus H1N1

mais imagens Galeria: Gripe Suína

 

 

Brasil

 

No Brasil, 20 pacientes com sintomas da doença estão sendo monitorados pelas secretarias da Saúde. O Ministério da Saúde afirma que não há sinais de que a doença tenha chegado no País. Apesar de não ter recomendado que os passageiros adiem viagens, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) anunciaram medidas preventivas nos aeroportos do País.

 

México

 

País foco da doença, o México tem mais de 2 mil casos e há pelo menos 152 mortes que podem ter sido causadas pela doença. No país, as aulas foram suspensas até o dia 6 de maio. A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês), está enviando uma equipe para investigar fazendas comerciais de criação de porcos no México que poderiam ser a fonte do surto de gripe suína.

 

Estados Unidos

 

Nos Estados Unidos, são 65 casos confirmados, mas nenhuma morte foi registrada. O governo do presidente Barack Obama declarou estado de emergência "por precaução" e o presidente afirmou que não há necessidade de alarme.

 

Canadá

 

No Canadá, 13 casos foram confirmados. O país alerta para que viagens não essenciais ao México sejam adiadas. Os canadenses que voltaram ao país procedentes do México estão sendo orientados a usar máscaras de proteção. Por ano, cerca de 1 milhão de canadenses visitam o México.

 

França

 

País já tem 20 casos suspeitos e a UE ainda não divulgou instruções formais aos viajantes, mas ministros de Relações Exteriores do bloco devem se reunir em Luxemburgo para discutir a situação. Técnicos dos 27 governos devem fazer uma outra reunião para avaliar eventuais medidas a serem tomadas e para preparar um encontro de ministros da Saúde do bloco, possivelmente na quinta-feira.

 

Espanha

 

País já tem dois casos confirmados e três suspeitos e está na mesma situação da França, respeitando às regras do bloco europeu.

 

Coréia do Sul

 

Na Coreia do Sul, as autoridades aguardam o resultado de testes realizados em uma pessoa que também esteve no México, de acordo com a agência de notícias Yonhap. As autoridades locais anunciaram na segunda-feira que vão dobrar o estoque de Tamiflu, para uma quantidade suficiente para atender 5 milhões de pessoas.

 

Nova Zelândia

 

Os casos confirmados na Nova Zelândia apresentam sintomas "leves" da doença e devem se recuperar, segundo o diretor de Saúde Pública, Mark Jacobs.

 

Israel

 

O País já tem dois casos confirmados e um suspeito. A imprensa denúncia que, apesar de suas advertências e das instruções do Ministério da Saúde, paciente com a doença dormiu a primeira noite em um corredor do hospital, o que desperta temores de que a doença tenha se propagado 

 

Japão

 

No Japão, o governo decidiu exigir vistos para cidadãos mexicanos entrarem no país. A autorização só será dada mediante apresentação de atestado médico e preenchimento de um formulário sobre a situação de saúde do requerente, de acordo com declarações dadas pelo ministro das Relações Exteriores, Kazuhiko Ono, à agência de notícias Bloomberg. Os pedidos deverão ser apresentados por e-mail, para evitar contato físico.

 

China 

 

Na China, não há casos "prováveis nem confirmados", afirmou o representante da Organização Mundial de Saúde (OMS) no país, Hans Troedsson. Porém ele ressaltou que várias pessoas estão sob observação, sem precisar o número.

 

Atualizada às 19h34

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.