Novo exame para detectar câncer de cólon dispensa colonoscopia

Teste por meio das fezes identificou 87% dos tumores e 64% de tecidos pré-cancerosos

Reuters

03 Novembro 2010 | 19h19

WASHINGTON - Um novo exame que detecta evidências de câncer de cólon por meio das fezes também pode encontrar tecidos pré-cancerosos, o que no futuro seria uma alternativa à colonoscopia, disseram pesquisadores na última quinta-feira.

O novo exame do laboratório Exact Sciences identificou 87% dos tumores de cólon nos estágios 1, 2 e 3, que podem ser removidos cirurgicamente, e 64% de crescimentos em tecidos pré-cancerosos (maiores de 1 cm), afirmaram os autores do estudo em uma reunião da Associação Americana de Pesquisa do Câncer.

O teste envolveu 1.100 pacientes e detectou alterações no DNA de três genes, em um processo chamado metilação, o que pode tornar uma célula cancerosa ou iniciar mudanças que levam a um tumor.

"O exame de fezes não invasivo que desenvolvemos é simples para os pacientes, não envolve nenhuma restrição de dieta ou medicação, não requer preparo intestinal nem trabalho perdido, já que pode ser feito em casa", disse o Dr. David Ahlquist, da Clínica Mayo, em Rochester, Minnesota, que criou o teste.

"Os resultados positivos [para câncer] seriam acompanhados de uma colonoscopia", afirmou Ahlquist. A clínica licenciou o exame da Exact Sciences, que vê nele um potencial de vendas de US$ 1 bilhão nos Estados Unidos. O preço unitário deve ser de US$ 300 a US$ 400, e o laboratório pretende submeter o procedimento à aprovação da agência de vigilância sanitária americana Food and Drug Administration (FDA) em 2012.

Tumores colorretais se desenvolvem na mucosa do cólon e no reto. Como a matéria fecal passaram pelo trato, que recolhe algumas células desses tumores, o teste pode encontrar até mesmo pequenas quantidades de DNA alterado a partir desses crescimentos em uma amostra de fezes.

O estudo descobriu que 85% dos cânceres e 87% do tumores em estágio inicial podem ser curados por remoção cirúrgica. O câncer colorretal é a segunda maior causa de morte por tumor nos Estados Unidos e em outros países desenvolvidos.

A Sociedade Americana de Câncer estima que haverá cerca de 122 mil novos casos em 2010, com mais de 51 mil mortes. A entidade recomenda que todos os americanos comecem a fazer exames detalhados a partir dos 50 anos. Mas apenas metade das pessoas devem fazer o teste, em parte porque o procedimento é embaraçoso, desconfortável e pode, em casos raros, causar danos.

A colonoscopia padrão consiste em uma pequena câmera introduzida pelo reto. O aparelho tem um par de pinças para remover pólipos com possibilidade de se tornar câncer.

Mas apenas cerca de metade das pessoas que devem fazer o teste, em parte porque o procedimento é embaraçoso, desconfortável e pode, em casos raros, causar danos.

As empresas de biotecnologia Exiqonas (Dinamarca), OncoMethylome (Bélgica), Epigenomics (Alemanha) estão desenvolvendo exames de sangue para identificar câncer de cólon. Segundo esta última, que submeteu 8 mil voluntários a colonoscopia, o exame de sangue delas detectou 67% dos tumores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.