1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Número de casos de microcefalia no País já passa de 3,1 mil

- Atualizado: 06 Janeiro 2016 | 07h 37

Registros da má-formação subiram 6,6% em uma semana; casos já alcançam 21 Unidades da Federação

Em novembro, o Ministério da Saúde declarou emergência sanitária nacional, por causa de um surto em Pernambuco de nascimento de bebês com microcefalia
Em novembro, o Ministério da Saúde declarou emergência sanitária nacional, por causa de um surto em Pernambuco de nascimento de bebês com microcefalia

Atualizada às 20h44

BRASÍLIA - Os casos de microcefalia ainda avançam no País. Dados do Ministério da Saúde mostram que nascimentos de bebês com má-formação subiram 6,6% em uma semana, alcançado a marca de 3.174 registros, ante os 2.975 casos apresentados no boletim anterior. A doença também se espalha em território nacional. Menos de dois meses depois de o Ministério da Saúde decretar estado de emergência em virtude do aumento de nascimento de bebês com o problema em Pernambuco, os casos já alcançam 21 Unidades da Federação. 

Apenas os Estados de Acre, Amapá, Paraná, Roraima, Santa Catarina e Rondônia não tiveram até o momento registros de bebês com suspeita da síndrome, que em 90% leva as crianças a ter deficiência mental. O número de cidades chega a 684.

Além do presente ser preocupante, o futuro não é animador. O professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Carlos Brito, identifica que o Estado começa a apresentar uma segunda onda de casos de zika, depois do aumento expressivo no início do ano passado. “Aos poucos, as queixas relacionadas à doença, que haviam diminuído nos últimos meses, começam a ficar mais frequentes novamente nos consultórios”, avalia. “Isso aumenta o risco do nascimento de mais crianças com microcefalia.” 

A impressão dos consultórios é confirmada por estatísticas. Pernambuco, que ao lado da Bahia determina que todos os casos suspeitos sejam notificados, acumulou, em menos de um mês, mil casos suspeitos da infecção. “Tanto chikungunya quanto zika estão aumentando. Chikungunya com mais força, mas zika nos tira o sono”, observa Brito.

Não há números nacionais sobre zika. A notificação de casos da infecção é feita somente em “postos sentinela”, centros escolhidos pelo Ministério da Saúde que ficam encarregados tanto de coletar dados sobre atendimento quanto amostras de sangue. O método é semelhante ao que é adotado para gripe.

Brito considera o sistema pouco adequado para uma resposta rápida contra doença. “É preciso ter em mãos números gerais. A informação é essencial tanto para sabermos o rumo da epidemia quanto para organizarmos a assistência.” Embora consideradas “primas”, dengue, chikungunya e zika exigem respostas diferentes do sistema de saúde.

A dengue, por trazer maior risco de hemorragias e morte, precisa de um atendimento rápido e adequado. A chikungunya, além da assistência à fase aguda, requer também que o sistema esteja preparado para o atendimento de pacientes que apresentem problemas crônicos, como dores nas articulações e dificuldades de movimento. A zika, por sua vez, pelo risco de transmissão vertical, exige o atendimento a bebês que eventualmente nasçam com sequelas provocadas pela infecção, como a microcefalia.

A explosão do número de nascimentos de bebês com microcefalia começou em setembro. O fenômeno foi relacionado pelo Ministério da Saúde à infecção do feto, ainda durante a gestação, pelo zika. O vírus chegou ao País em 2015 e provocou uma epidemia nos Estados do Nordeste. Exames em fetos com microcefalia identificaram a presença do vírus no líquido amniótico de dois fetos.

Recomendações. O Ministério da Saúde recomenda que gestantes mantenham o acompanhamento e consultas de pré-natal e adotem medidas para tentar evitar picadas do mosquito: uso de blusas de manga longa e calças, a aplicação de repelentes e, se possível, colocar telas em portas e janelas.

SP registra 4 casos suspeitos de microcefalia ligada ao zika vírus

A capital paulista registrou quatro casos suspeitos de microcefalia relacionados com o zika vírus, segundo balanço da Secretaria Municipal de Saúde fechado no dia 4. De acordo com a pasta, há seis casos suspeitos em investigação, que estão sendo reavaliados por causa da mudança de critério de definição de casos de microcefalia adotada pelo governo federal - o perímetro cefálico do bebê considerado portador da má-formação foi reduzido de 33 para 32 centímetros no mês passado. 

Outros 33 casos de microcefalia que estavam sendo investigados no Município foram descartados por não se enquadrarem nos padrões da má-formação. No balanço do Ministério da Saúde, há registro de seis casos de microcefalia no Estado de São Paulo em seis cidades diferentes. 

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, há oito casos em investigação. Eles foram registrados em Campinas, Guarulhos, Mogi-Guaçu, São Paulo, Santo André, Sumaré e Ribeirão Preto. Nesta última cidade, foram dois registros. Na capital e em Santo André, os casos foram importados. Nos demais municípios, a pasta considera os casos como autóctones.

No País. Dados do boletim divulgado nesta terça pelo Ministério da Saúde mostram que o maior número de casos de microcefalia continua a ser apresentado por Pernambuco: 1.185, o equivalente a 37,33% do total. 

Em seguida, estão Paraíba (504), Bahia (312), Rio Grande do Norte (169), Sergipe (146), Ceará (134), Alagoas (139), Mato Grosso (123) e Rio (118). Nesta semana, um caso suspeito de microcefalia foi identificado no Amazonas, o primeiro desde que o acompanhamento começou a ser feito por autoridades sanitárias. 

Diante do aumento de casos de microcefalia, o governo federal formou uma força-tarefa, integrada por 19 ministérios, para combater o vetor, o Aedes aegypti. Em dezembro, o Ministério da Saúde enviou mais 17,9 toneladas de larvicida para os Estados do Nordeste e Sudeste, totalizando 114,4 toneladas para todo o País./ COLABOROU PAULA FELIX

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX