1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Olimpíada ocorrerá, diz secretário de Atenção à Saúde do ministério

- Atualizado: 04 Fevereiro 2016 | 15h 11

Alberto Beltrame afirma que, apesar de decretar emergência pela microcefalia associada ao zika, OMS não fez restrições a viagens

RIO - O secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Alberto Beltrame, afirmou nesta quinta-feira, 4, crer que,  mesmo com a repercussão mundial da decretação de emergência na saúde pública pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para o combate à microcefalia, a Olimpíada de 2016 no Rio de Janeiro transcorra.

"A OMS não fez restrições a viagens e fez recomendações que o governo federal já tem feito. O Rio e o Brasil inteiro estão mobilizados contra o mosquito (Aedes aegypti, transmissor da zika, que em alguns casos é associada à má-formação), a proliferação do vetor e no seu tratamento, especialmente crianças com microcefalia", disse, na sede do Instituto Nacional do Câncer (InCa), no centro, em solenidade relativa ao Dia Mundial de Combate ao Câncer. "Creio que a Olimpíada vá transcorrer bem. O governo do Rio e a prefeitura do Rio estão fortemente engajadas no combate ao mosquito e  temos expectativa de controlar em breve esse problema tão sério da saúde publica."  

O secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Alberto Beltrame, afirma que é precoce estabelecer prazos para o desenvolvimento de uma vacina contra o zika

O secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Alberto Beltrame, afirma que é precoce estabelecer prazos para o desenvolvimento de uma vacina contra o zika

Em relação a produção de vacina contra o zika vírus, o secretário afirmou que o ministério está trabalhando em três linhas de pesquisa para o seu desenvolvimento. Uma é da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), outra do Instituto Evandro Chagas e outra em parceria com a Glaxo.

7 perguntas e respostas sobre a microcefalia
REUTERS / Ueslei Marcelino
O que é microcefalia?

É uma má-formação congênita em que a criança nasce com o perímetro cefálico menor do que o convencional, que é de 32 centímetros. Isso significa que o cérebro não se desenvolveu da maneira esperada.  

"Esperamos o mais breve possível ter uma vacina. Em termos de prazo, é difícil estabelecer antecipadamente, mas já existe uma plataforma que a vacina contra a dengue possa ser utilizada para o desenvolvimento eventualmente, no de uma vacina que hoje é quadrivalente, seja pentavalente, que incluiria o zika", explicou.  "Mas é precoce  afirmar  prazos porque se trata de desenvolvimento tecnológico que ainda está em andamento."

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX