1. Usuário
Assine o Estadão
assine

OMS condena declaração de homeopatas contra vacina H1N1

Associated Press

06 Novembro 2009 | 18h 38

Sociedade de homeopatas da Suíça diz que grávidas devem evitar a vacina; OMS repreende declaração

A Organização Mundial da Saúde condenou, com veemência incomum, o conselho dado por uma associação de homeopatas suíços contra a aplicação da vacina de gripe suína em mulheres grávidas.

 

Veja também:

linkOMS condena uso da homeopatia contra doenças perigosas

link Grávidas devem receber vacina contra gripe suína, diz OMS

link OMS: H1N1 deve causar mais mortes no inverno do Norte

link Vírus H1N1 é cepa predominante em circulação, diz OMS

 

A Sociedade Suíça de Médicos Homeopatas disse que gestantes não deveriam tomar nenhuma das duas vacinas já autorizadas para uso no país - a Focetria, da Novartis, e a Pendemrix, da Glaxo - alegando que os efeitos de ambas no organismo das grávidas e dos fetos não foram suficientemente estudados.

 

"Isto (o conselho) pode resultar em pôr as grávidas e seus fetos em risco de consequências graves no caso de uma infecção pelo vírus da gripe pandêmica", disse a chefe de vacinas da OMS, Marie-Paule Kieny.

 

A Organização Mundial da Saúde considera Focetria e Pandemrix seguras para grávidas, acrescentou.

"lamentamos que a recomendação da Sociedade Suíça de Médicos Homeopatas não tenha levado as recomendações da OMS sobre o assunto em consideração", disse ela.

 

Médicos homeopatas acreditam que substâncias altamente diluídas podem ser usadas para tratar sintomas e curar doenças, a despeito da falta de evidência científica do efeito.

 

Pesquisas de opinião realizadas na Suíça, onde a OMS está baseada, mostram que uma parte significativa da população já reluta em vacinar-se.

 

Como na Alemanha, tem havido preocupação entre o público quanto ao uso de adjuvantes nas vacinas. Tanto  Focetria quando Pandemrix contêm esses aditivos, que servem para estimular a resposta do organismo ao ingrediente ativo da vacina.

 

Não há vacinas de gripe com adjuvante autorizadas para uso nos Estados Unidos, embora a técnica seja comum na Europa.

 

A OMS diz que as gestantes correm um risco especialmente alto de desenvolver complicações graves da gripe suína, caso contraiam a doença, e vem insistindo para que as grávidas tenham prioridade nos programas nacionais de vacinação.

  • Tags: