Pavel Rahman/AP
Pavel Rahman/AP

OMS define níveis de melamina em alimentos líquidos e sólidos

Comitê em Genebra também se concentra em medidas higiênicas para manter vegetais frescos

Efe

06 Julho 2010 | 15h57

GENEBRA - A Organização Mundial da Saúde (OMS) estabeleceu nesta terça-feira, 5, os limites de melamina em alimentos líquidos e sólidos, entre 1 e 2,5 miligramas por quilo, respectivamente, a fim de combater os efeitos tóxicos desse composto de resina.

 

No fim de 2008, leite contaminado com melamina, que é usada na fabricação de plásticos, provocou a morte de seis crianças na China e intoxicou cerca de 300 mil, catástrofe que, segundo o diretor do departamento de Segurança Alimentícia da OMS, Jorgen Schlundt, "acelerou esse acordo".

 

A decisão foi tomada nesta terça por unanimidade entre os analistas que - representando os 182 países signatários - participam até sexta em Genebra da sessão anual do Comitê do Codex Alimentarius, criado em 1963 pela OMS e pela Organização para a Agricultura e a Alimentação (FAO) para regulamentar o setor de alimentação.

 

No caso da China, a companhia láctea Mengniu, uma das principais envolvidas no escândalo do leite contaminado com melamina, teve um aumento de 14% em seus lucros anuais depois de seis meses das intoxicações.

 

A diretora de Nutrição e Consumo de FAO, Ezzeddine Boutrif, assegurou que o corpo humano "pode tolerar limites de melamina abaixo do estabelecido, mas nunca superiores". "Agora cabe aos países colocar em prática esses limites", afirmou.

 

O comitê Codex se concentra este ano, além da melamina, nas medidas higiênicas para manter frescos os vegetais. Em relação a este tema, Schlundt destacou que as microbactérias, "às vezes indestrutíveis nos alimentos", são as que mais põem em risco a saúde humana.

 

"Não sabemos com exatidão o número de mortes provocadas por alimentos em mau estado, mas estimamos que um terço da população mundial sofra por essa razão", disse.

 

Com relação aos vegetais, Schlundt comentou que o Codex estabeleceu um manual com as normas básicas para mantê-los frescos. O guia faz especial insistência no "uso de água não contaminada".

 

"Essas normas serão traduzidas para mais 27 idiomas para que os países possam aplicá-las", disse Schlundt, embora tenha esclarecido que a utilização da água em mau estado para lavar os vegetais "não é algo exclusivo de países em desenvolvimento".

 

Segundo o diretor da OMS, trata-se "de um acordo muito importante para evitar intoxicações em grande escala".

Mais conteúdo sobre:
OMS melamina Jorgen Schlundt Codex

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.