AP
AP

OMS diz que submeterá gestão de pandemia a avaliação

Organização tem sido alvo de críticas e acusações de conivência com a indústria farmacêutica

Efe,

12 Janeiro 2010 | 12h26

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta terça-feira, 12, que submeterá a uma avaliação externa sua atuação sobre a pandemia de gripe A (H1N1), frente às críticas e às acusações de conivência com a indústria farmacêutica na gestão dessa emergência sanitária. No entanto, não definiu quando deve ocorrer esse procedimento, do qual estarão encarregados especialistas sem vínculos com a entidade sanitária.

 

Veja também:

linkAutoridades de saúde no PR alertam sobre vírus da gripe A

linkDeclínio da pandemia do H1N1 pode abrir caminho para novos vírus

linkFábrica de vacinas do governo de São Paulo está parada 

 

A OMS tentará responder com esta medida às críticas sobre uma suposta conivência com a indústria farmacêutica para exagerar a gravidade do novo vírus e promover a venda de vacinas e remédios para combatê-lo.

 

A moção apresentada pelo presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, Wolfgang Wodarg, para investigar se tal conflito de interesses existiu levou hoje a um pronunciamento do organismo sanitário.

 

A OMS sustentou que "esperamos e damos as boas-vindas às críticas e à oportunidade de discuti-las. No futuro, realizaremos uma avaliação de nosso trabalho com especialistas externos para analisar nosso manejo e resposta ao vírus H1N1".

 

A porta-voz do organismo, Fadela Chaib, declarou que "estamos abertos às recomendações que podem melhorar nosso trabalho" e prometeu que seu conteúdo se tornará público. No entanto, indicou que ainda não está definido o momento de realizar essa avaliação.

 

A OMS reconheceu que o vírus da gripe A foi menos virulento do que se temia, mas descartou por enquanto declarar o fim da pandemia.

 

Para sustentar essa decisão, explicou que devem passar várias temporadas antes de poder confirmar que a pandemia não voltará a surgir, eventualmente, com maior força. Por enquanto, discute-se esperar entre seis e doze meses mais para poder declarar o fim da pandemia.

Mais conteúdo sobre:
OMS pandemia gestao

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.