OMS reafirma recomendação de uso de antiviral contra H1N1

Cientistas britânicos haviam dito que crianças não deveriam ser tratadas rotineiramente com a droga

Reuters,

12 Agosto 2009 | 14h27

Crianças e adultos que estejam gravemente doentes com a gripe H1N1, a gripe suína, ou que corram o risco de complicações da doença devem ser tratadas com antivirais como o Tamiflu, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quarta-feira, 12.

 

linkEstudo põe em dúvida benefício de antivirais para crianças

linkOMS prevê vacinação contra H1N1 a partir de setembro

linkGrandes farmacêuticas começam a testar vacina para H1N1

 

Mas pessoas saudáveis ou que apresentem apenas sintomas moderados de gripe não precisam receber a droga, acrescentou a organização.

 

A agência reafirmou o conselho dado originalmente em 21 de maio sobre a administração de antivirais  em pacientes infectados com o novo vírus.

 

"A OMS continua a recomendar o uso de antivirais como tratamento para pessoas gravemente doentes ou sob risco de outras complicações de saúde", diz nota enviada a jornalistas.

 

Tratamento imediato com oseltamivir, o nome genérico do Tamiflu, é recomendado para grupos "de risco", que incluem mulheres grávidas.

 

Cientistas britânicos disseram, nesta semana, que crianças não deveriam ser tratadas rotineiramente com drogas para a gripe, porque não há evidência clara de que esses remédios evitem complicações, e eles podem causar efeitos colaterais, como vômitos, que podem ser mais prejudiciais que a gripe em si.

Em sua nota, a OMS disse que um comitê de especialistas recentemente revisou suas normas para o uso de antivirais.

 

Os especialistas levaram em consideração a evidência clínica, incluindo a que serviu de base para o artigo no British Medical Journal. "A recomendação não muda", disse a porta-voz da OMS, Alphaluck Bhatiasevi.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína tamiflu oseltamivir

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.