1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

OMS recomenda 'prudência' ao relacionar zika e Guillain-Barré

- Atualizado: 09 Fevereiro 2016 | 14h 14

Três pessoas, que haviam tido contato com zika, morreram na Colômbia por causa da doença, que ataca sistema nervoso

GENEBRA - A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu nesta terça-feira, 9, prudência sobre a possível relação entre o vírus zika e a morte de três colombianos por causa da síndrome de Guillain-Barré. Depois do Brasil, a Colômbia é o país mais afetado pelo surto da doença, que já atinge 33 países. 

"Temos que ser prudentes e não misturarmos", declarou Christian Lindmeier em coletiva de imprensa. Os três pacientes, de acordo com o governo da Colômbia, haviam tido contato com zika e morreram na última sexta-feira, 5. A Síndrome de Guillain-Barré ataca o sistema nervoso. A OMS também entende que a relação entre o vírus e a microcefalia ainda deve ser melhor investigada. 

Veja quais países terão mais prejuízo com o zika vírus
Andrea de Silva/Reuters
19º - Guiana

Após declarar que o zika vírus é uma emergência mundial, a OMS (Organização Mundial da Saúde) emitiu um alerta para 25 países da América do Sul, América e Central e Caribe (incluindo o Brasil) que irão receber milhares de turistas neste ano. Como resultado, esses países devem perder bilhões de dólares em verba vinda do turismo. A Guiana prevê um prejuízo de US$ 77 milhões

As autoridades colombianas decretaram o primeiro nível de alerta (verde) para que os hospitais estejam preparados para responder a uma expansão da doença. Também recomendaram que as mulheres adiem a gravidez entre seis e oito meses. 

Não existe vacina para zika. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, pelo menos doze grupos de pesquisa trabalham no desenvolvimento de uma vacina contra o vírus. O produto deve levar alguns anos para chegar ao mercado. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX