1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

OMS admite 'aumento de evidências' que ligam zika à microcefalia

- Atualizado: 19 Fevereiro 2016 | 23h 53

Segundo a Organização Mundial de Saúde, no entanto, só em meados deste ano a questão poderá ser esclarecida

Aylward: 'o zika é considerado culpado até que não se demonstre o contrário' 

Aylward: 'o zika é considerado culpado até que não se demonstre o contrário' 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu nesta sexta-feira, 19, que há um "aumento do número de evidências" que apontam para uma relação entre o vírus zika e casos de microcefalia, mas disse que só em meados deste ano esta questão poderá ser esclarecida.

O prazo foi dado porque as mulheres grávidas no último trimestre do ano passado - quando se registrou o aumento de casos no Brasil nas áreas afetadas - começarão a dar à luz por volta do mês de junho, explicou o diretor para emergências de saúde da OMS, Bruce Aylward.

"A evidência aumenta em termos de associação temporal e geográfica do vírus e das consequências que tememos", em referência à microcefalia em recém-nascidos e à síndrome de Guillain-Barré.

O especialista acrescentou que conforme o vírus vai sendo isolado nas pessoas infectadas se vê a ausência de outras causas que possam explicar tais doenças.

"No entanto, não se descarta que o zika possa ser um fator dessas patologias, mas não o único", explicou Aylward.

Aylward disse que, nas atuais circunstâncias, o zika "é considerado culpado até que não se demonstre o contrário".

 

Publicações científicas divulgaram recentemente as conclusões de diferentes pesquisas, incluindo algumas baseadas em autópsias de crianças com microcefalia e nos quais se encontrou o vírus no cérebro, mas Aylward esclareceu que "isto não demonstra a causalidade".

5 orientações da OMS sobre o zika vírus
REUTERS
Mulheres grávidas devem estar preocupadas com o zika vírus?

Embora os sintomas associados com zika sejam geralmente leves, uma possível associação foi observada entre o aumento anormal de zika e casos de microcefalia no Brasil desde 2015.

Como parte da estratégia que a OMS elaborou para enfrentar o zika - e para a qual requereria um financiamento de US$ 56 milhões - se tenta pôr o mosquito que atua como vetor do vírus sob controle e reduzir sua população.

O diretor do Programa contra a Malária no OMS, Pedro Alonso, anunciou a esse respeito que em breve será publicado uma guia de emergência para o controle do mosquito.

Além disso, ele disse que um grupo de especialistas internacionais se reunirá nas próximas semanas para avaliar a conveniência de utilizar novos métodos, que ainda estão em desenvolvimento, para combater o mosquito. /EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX