Operação prende 4 por fraude contra 3.800 aposentados do Ministério da Saúde

Suposta quadrilha especializada em fraudar contracheques atuava no Rio, Espírito Santo, Ceará e em Minas

Fabiana Marchezi, do estadão.com.br

20 Julho 2010 | 16h38

SÃO PAULO - Quatro pessoas foram presas na manhã desta terça-feira, 20, durante a Operação Hermes, realizada pela Polícia Civil do Rio para prender integrantes de uma suposta quadrilha especializada em fraudar contracheques de funcionários aposentados do Ministério da Saúde, que atuavam nos Estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo e Ceará.

De acordo com a polícia, cerca de 60 policiais civis da Delegacia de Defraudações (DDEF), com o apoio de delegacias especializadas e do interior do Rio, participaram simultaneamente da ação nos quatro Estados com o objetivo de cumprir sete mandados de prisão e 14 de busca e apreensão expedidos pela Justiça.

A suposta quadrilha, que atuava desde 1995, começou a ser investigada pelos policiais da Delegacia de Defraudações há cerca de um ano. Segundo o delegado titular Robson da Costa Ferreira, o bando arrecadava em torno de R$ 148 mil por mês a partir de descontos irregulares, entre R$ 10 a R$ 50, que eram feitos nos contracheques de cerca de 3.800 aposentados.

Ainda segundo a polícia, a operação também apreendeu documentos e computadores nas residências e nos escritórios dos suspeitos. Francisco Antero Alvarenga Filho foi preso em Vitória, no Espírito Santo, e a esposa dele, Marcilei de Brito Alvarenga, no município de São Gonçalo, região metropolitana do Rio. Também foram presos Luciana Pitassi e o marido dela, Márcio Pitassi, em Copacabana e na Pavuna, respectivamente.

A ação contou com a participação de agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Saúde Pública (DRCSSP), da Delegacia do Consumidor (Decon) e policiais das delegacias de Sapucaia e Paraíba do Sul, no interior do Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.