Infográfico Estadão
Infográfico Estadão

Oportunista e adaptável, 'Aedes aegypti' avança

Tire 20 dúvidas sobre a praga urbana que se tornou a ameaça a ser combatida em todos os lares; cada mosquito pica até 400 pessoas

Fabiana Cambricoli , O Estado de S.Paulo

27 Dezembro 2015 | 05h00

SÃO PAULO - Ele tem cerca de meio centímetro, vive só 30 dias, mas foi declarado neste ano o inimigo número 1 do País pelo ministro da Saúde, Marcelo Castro, motivando uma força-tarefa que deve visitar todas as casas do País em 40 dias. Por trás dessa aparente fragilidade está um mosquito que chega sem fazer barulho, foge ao perceber qualquer movimento e consegue ingerir duas vezes seu peso em sangue. Ele ainda bota até mil ovos, os distribui em diferentes criadouros para aumentar a chance de manutenção da espécie e, principalmente, é oportunista e sabe se adaptar bem nas adversidades.

Esse conjunto de características fez do Aedes aegypti o principal transmissor de doenças em ambiente urbano. “É um mosquito discreto, raramente notado quando pica, e muito arisco. Ele foge com qualquer movimento mais brusco e não emite zumbido que possa ser ouvido pelos humanos. Além disso, os mosquitos passaram a modificar seus hábitos em função das mudanças da rotina dos hospedeiros. O Aedes, que tem hábitos diurnos, pode passar a picar mais à noite, pois há uma tendência de as pessoas dormirem mais tarde”, diz Rafaela Bruno, pesquisadora do Instituto Oswaldo Cruz, da Fiocruz.

“O que faz do Aedes uma praga urbana é a grande capacidade que ele tem de se adaptar ao ambiente doméstico. Ele passou a preferir criadouros artificiais, vive bem dentro das casas e está se adaptando a temperaturas mais baixas”, diz o biólogo Alessandro Giangola, coordenador das ações de controle da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo. Leia abaixo as respostas dos dois especialistas às principais questões referentes ao mosquito.

1. Existe uma estimativa de qual é a população de Aedes aegypti no Brasil?

Não, até porque ela varia conforme o período do ano e a região do País. O que se sabe é que o Aedes aegypti e o Culex quinquefaciatus, conhecido como pernilongo comum, são os mosquitos em maior número em ambiente urbano. Os dois tipos de inseto, no entanto, têm diferenças marcantes, como o local onde botam ovos e as características físicas (veja as principais diferenças abaixo).

2. É possível identificar qual mosquito picou apenas pelo aspecto da picada?

Não, a sensação de coceira ou incômodo é semelhante independentemente do mosquito que pica.

 

3. O Aedes aegypti emite zumbido?

O zumbido emitido pelo Aedes é tão baixo que não pode ser ouvido pelos humanos. O zumbido irritante que estamos acostumados a escutar é geralmente do Culex, que, por ser um pouco maior, emite ruído mais alto (o zumbido é o som do movimento das asas).

4. Por que só a fêmea pica?

Porque o sangue é necessário para a maturação dos ovos. 

5. Qual é o tempo de vida do Aedes?

Após se tornar adulto, ele vive, em média, 30 dias. 

6. Quantas pessoas ele pode picar na vida?

O Aedes pode picar até três pessoas no mesmo repasto (refeição) e até 400 em toda a sua vida. Ele consegue ingerir até duas vezes o próprio peso em sangue: se a fêmea começa a picar uma pessoa e é interrompida, provavelmente vai procurar realizar uma nova picada nesta mesma pessoa ou em outra até estar repleta de sangue.

7. O Aedes pica animais domésticos?

Sim, mas tem preferência pelo sangue humano. Animais domésticos não desenvolvem as doenças transmitidas pelo mosquito.

8. Em que períodos do dia o Aedes prefere picar?

Durante o dia, em especial no início da manhã e no fim da tarde. Isso não significa que ele não pique à noite. O Aedes é um mosquito oportunista: se a pessoa deixar uma perna exposta próxima do mosquito, provavelmente será picada mesmo à noite. Da mesma forma, se uma pessoa passa o dia todo fora de casa e chega apenas à noite, é provável que seja picada no período noturno.

9. Ele também tem preferência por alguma parte do corpo?

Por voar baixo, ele costuma picar nos pés e nas pernas das pessoas.

10. Qual é o raio de atuação do mosquito a partir do criadouro onde ele nasceu?

Depende muito da densidade populacional da região. Em ambientes com muitas casas próximas, os mosquitos voam usualmente de 40 metros a 50 metros. Em bairros com aglomeração humana não tão intensa, a média de voo registrada é de aproximadamente 100, podendo chegar a 240 metros.  Em regiões sem barreiras à dispersão do mosquito, praia ou grandes avenidas, o vetor pode atingir um raio de voo de até 800 metros. 

 

11. Qual é a altura máxima que o mosquito pode voar?

O Aedes aegypti costuma ter um voo baixo que chega, mais ou menos, a 1 metro ou 1,5 metro de altura. Esse comportamento está relacionado à atração do vetor pelo gás carbônico, que costuma estar mais perto do solo.

12. Por que o Aedes aegypti transmite vírus como a dengue e o zika e não transmite outras doenças virais como a aids, que tem como base o HIV?

Os diversos patógenos existentes atualmente possuem formas específicas de transmissão. O HIV é incapaz de se desenvolver no interior dos mosquitos.

13. Quantos ovos um mosquito pode botar na vida?

Uma fêmea pode dar origem a mil ovos durante a vida e os distribui por diversos criadouros – estratégia fundamental para garantir a dispersão e a preservação da espécie.

14. Por quanto tempo um ovo pode resistir em ambiente seco? 

Até 450 dias. Essa resistência é uma vantagem para o mosquito, pois permite que os ovos sobrevivam por muitos meses em ambientes secos, até o próximo período chuvoso. Por isso é importante, ao descartar água, também escovar as paredes dos recipientes.

15. Quanto tempo é necessário de contato com a água para que um ovo se torne larva?

Bastam pouco mais de dez minutos para que a transformação se inicie. Depois disso, são necessários de sete a dez dias para que o ovo se torne um mosquito adulto.

16. Os descendentes de um mosquito contaminado automaticamente nascerão com o vírus?

Relatos científicos já demonstraram que há a possibilidade de Aedes já nascerem infectados. No entanto, a porcentagem dos que passam por esse processo é baixa (entre 15 e 20%) e não se sabe se, mesmo nascendo com o vírus, eles conseguirão transmiti-lo.

17. O mosquito pode ser contaminado por mais de um vírus ao mesmo tempo? 

O mosquito pode estar infectado com mais de um vírus ao mesmo tempo. No entanto, costuma haver uma “competição” interna entre os vírus, que precisam usar as estruturas celulares do vetor para se replicar. Não é comum, portanto, que o Aedes aegypti transmita mais de uma doença em uma só picada.

18. É verdade que ele está conseguindo se reproduzir em água não tão limpa?

O mosquito deposita seus ovos preferencialmente em águas limpas, mas que podem ter um pouco de material orgânico, como folhas ou limo, por exemplo. Suas larvas não conseguem sobreviver em reservatórios poluídos, com dejetos ou com muita matéria orgânica.

19. Há algum alimento que torna o indivíduo menos ou mais atraente ao mosquito? Tomar vitamina B ajuda?

Recomendações como comer alho, cebola ou tomar vitamina B não são eficazes, uma vez que seria necessária a ingestão de enormes quantidades para que o organismo passasse a liberar o cheiro desses itens no suor. 

20. Como o mosquito se orienta espacialmente até chegar à pessoa a ser picada?

O Aedes aegypti não se orienta pela visão, ele é atraído pelo cheiro humano e também pelo gás carbônico (CO2), que é liberado diretamente pela respiração.

Mais conteúdo sobre:
zika dengue chikungunya aedes aegypti

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.