1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

País tem 404 casos confirmados de microcefalia

- Atualizado: 02 Fevereiro 2016 | 21h 47

Dezessete deles têm relação com o zika vírus, segundo boletim; estão em investigação 3.670 casos

O Ministério da Saúde e os Estados confirmaram até esta terça-feira, 2, 404 casos de microcefalia (ante 270 na semana passada), 17 deles associados ao zika vírus. Estão sob investigação 3.670 relatos suspeitos. Enquanto isso, os governos brasileiro e americano avançaram em uma parceria para vacinas e tratamentos.

O novo boletim do ministério, divulgado nesta terça, aponta ainda 709 casos notificados e descartados. Ao todo, 4.783 relatos suspeitos de microcefalia foram registrados. Foram notificadas 76 mortes após o parto ou durante a gestação. Dessas, 15 foram investigadas e confirmadas para microcefalia (5 tiveram identificação do zika no tecido fetal). Outras 56 continuam em investigação.

A Região Nordeste concentra 98% dos municípios com casos confirmados. E Pernambuco lidera em confirmações (153) e cidades afetadas (56).

7 perguntas e respostas sobre a microcefalia
REUTERS / Ueslei Marcelino
O que é microcefalia?

É uma má-formação congênita em que a criança nasce com o perímetro cefálico menor do que o convencional, que é de 32 centímetros. Isso significa que o cérebro não se desenvolveu da maneira esperada.  

Dilma. A presidente Dilma Rousseff e o ministro da Saúde, Marcelo Castro, ainda fecharam nesta terça-feira, 2, a parceria com os Estados Unidos para combater o zika vírus. A agenda estratégica inclui cooperação para pesquisas sobre diagnósticos, vacina e tratamento.

Enquanto Dilma discursava na cerimônia de abertura do ano legislativo no Congresso Nacional (a epidemia de zika foi um dos pontos centrais), Castro conversava, por videoconferência, com a secretária de Saúde dos Estados Unidos, Sylvia Burbell – ambos “se comprometeram em acelerar as investigações em curso sobre as infecções”, conforme nota divulgada pelo Ministério da Saúde. 

Sylvia também assegurou a Castro que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) está à disposição. Para aprofundar a agenda estratégica, ficou acertada para o dia 20, no Brasil, uma reunião entre técnicos. Ainda ficou definida a criação de um grupo de pesquisadores do Instituto Butantã e do National Institute of Health para criar vacinas e produtos terapêuticos. No discurso aos parlamentares, Dilma citou que a parceria entre os dois centros de pesquisa já trabalha na vacina contra a dengue. 

Mutirão. A presidente divulgou ainda duas datas, ainda neste mês, de ações que buscam eliminar os focos de proliferação do mosquito. No dia 13, “a primeira grande operação” terá a participação de 220 mil pessoas das Forças Armadas. A partir do dia 19, com o início do ano letivo, “envolveremos estudantes de todo o Brasil nesta guerra em favor da saúde e da vida”.

Além disso, afirmou ela, todos os prédios do governo federal estão passando por um processo de limpeza para eliminar possíveis criadouros. “Quando for o caso da existência de águas paradas, colocaremos larvicidas”, disse. “Ao mesmo tempo, iniciamos a capacitação de servidores federais para atuar no combate ao mosquito e na mobilização da sociedade.”

Até a vacina se tornar uma realidade, discursou Dilma, “o melhor remédio disponível é o enfrentamento do mosquito transmissor, impedindo sua proliferação, porque se o mosquito não nascer, o vírus não tem como viver”. 

Segundo a presidente, a rede de saúde está sendo preparada para garantir atendimento rápido e eficiente às crianças afetadas e suas famílias. “A rede que já estávamos implementando para atendimento às pessoas com deficiência no SUS (Sistema Único de Saúde) será ajustada para lidar com a epidemia e, se necessário, ampliaremos o serviço e a oferta de equipamentos”, complementou, salientando que “não faltarão recursos”.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX