Alessandra Tarantino/AP
Alessandra Tarantino/AP

Papa Francisco proíbe venda de cigarros no Vaticano

Segundo o pontífice, nenhum lucro pode ser legítimo se está custando a vida de pessoas; determinação vale a partir de 2018

O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2017 | 19h13

CIDADE DO VATICANO - O papa Francisco ordenou a proibição da venda de cigarros na Cidade do Vaticano. Segundo ele, nenhum lucro pode ser legítimo se está custando a vida de pessoas.

+++ Fumar um maço por dia causa 150 mutações por ano em células do pulmão

De acordo com o porta-voz do Vaticano, Greg Burke, o papa determinou que o Vaticano deixe de vender cigarros aos seus funcionários já a partir de 2018 pelo simples motivo de que "a Santa Sé não pode cooperar com uma prática que prejudica claramente a saúde das pessoas".

+++ Ministro da Saúde defende aumento de preços do cigarro para controlar tabagismo

O Vaticano afirma que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o tabaco causa mais de 7 milhões de mortes ao ano no mundo todo.

+++ Souza Cruz quer tirar advertência frontal das embalagens de cigarros

+++ STF julga proibição de venda de cigarros com aroma e sabor

Até agora, os empregados e aposentados do Vaticano podiam comprar os cigarros com desconto no supermercado que se encontra no Estado pontifício, o que representa uma fonte de receita para a Santa Sé. "No entanto, nenhum lucro pode ser legítimo se está custando a vida das pessoas", segundo a opinião do pontífice que é usada como argumento pelo escritório de imprensa do Vaticano. /EFE

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.