1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Para EUA, não há boa estratégia contra ‘Aedes aegypti’

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 22h 28

CDC considera ação atual contra o vetor ‘ineficiente’; OMS admite falta de opções e buscará empresas em fevereiro

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika, da dengue e da chikungunya

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika, da dengue e da chikungunya

GENEBRA - O mundo não conta com produtos nem estratégias eficientes para combater o mosquito que transmite o zika vírus. O alerta foi feito nesta quinta-feira, 28, pelo Centro de Controle de Doenças do Estados Unidos (CDC) durante a reunião da Organização Mundial da Saúde (OMS), em Genebra. Falando aos governos, o representante americano, Lyle Peterson, confirmou que a metodologia usada hoje contra o vetor é “ineficiente”. 

“Precisamos desenvolver novos produtos, mais seguros e mais eficientes”, defendeu. “A maneira que temos atacado o vetor tem uma eficiência limitada”, insistiu ele. “Precisamos também de uma melhor administração e de recursos para monitorar tudo isso. E desenvolver produtos que minimizem a resistência do mosquito (ao inseticida).”

Bruce Aylward, chefe da OMS para Surtos e Epidemias, também apontou para a necessidade do desenvolvimento de novos instrumentos para combater o zika vírus em todo o mundo. “Precisamos de meios para agir”, disse.

Segundo ele, a OMS vai convocar uma série de reuniões sobre o assunto, reunindo empresas para desenvolver produtos e estratégias. A primeira está prevista para ocorrer em fevereiro. “Não temos nem testes para serem vendidos no mercado”, alertou. 

Para Marcos Espinal, representante da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), a comunidade internacional precisa continuar no combate ao vetor. “Não podemos entrar em pânico, mas temos de ter um controle de vetor agressivo.”

Histórico. O vírus foi descoberto em Uganda em 1947 e os primeiros casos em humanos aconteceram na Nigéria em 1954. Em 1977, ele foi registrado no Paquistão e, 20 anos mais tarde, na Micronésia. A Polinésia Francesa foi alvo de um surto em 2011 e, agora, a OMS estima que todo o continente americano será afetado. 

Dicas para evitar o mosquito 'Aedes aegypti'
James Gathany/CDC/AP
'Aedes aegypti'

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika vírus, da dengue e da chikungunya; veja a seguir dicas para evitá-lo

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX