Pesquisa mostra que a energia escura exerce força sobre o universo

Cientistas utilizaram dados obtidos pelos satélites Galaxy Evolution Explorer e Anglo-Australian Telescope na pesquisa

20 Maio 2011 | 12h36

SÃO PAULO - Depois de cinco anos de pesquisa de dados obtidos por meio de observações de telescópios da Nasa, os cientistas estão mais convencidos da existência da energia escura e de que ela é responsável pela expansão do universo aceleradamente.

As observações mostraram que a energia escura trabalha como uma força constante que impele o universo à expansão."Os resultados nos mostram que a energia escura é uma constante cosmológica, como propôs Einstein. Se a gravidade fosse o culpado, então nós não estaríamos vendo estes efeitos constantes da energia escura através dos tempos", disse Chris Blake da Universidade Swinburne de Tecnologia, na Austrália, e principal autor de dois artigos sobre os resultados da pesquisa.

Acredita-se que a energia escura domine o nosso universo, correspondendo a cerca de 74% dele. O restante seria composto por matéria escura, 22%, e matéria normal (aí estão incluídos os seres vivos, planetas e estrelas), 4%.

A ideia da existência da energia escura foi baseada em estudos sobre explosões de supernovas. Estes corpos celestes emitem luz constante e mensurável, o que ajuda no cálculo de distâncias no espaço. Por meio de observações, chegou-se a conclusão de que a energia escura está arremessando objetos em velocidade crescente.

Observações também foram feitas sobre as distâncias entre galáxias e sobre a velocidade com o qual elas se distanciam. Com isso os cientistas conseguiram desenvolver um mapa com os dados coletados.

Este mapa foi utilizado para entender como as aglomerações de galáxias crescem com o passar do tempo. Estas aglomerações atraem novas galáxias por meio da gravidade, mas a energia escura os puxa para o lado oposto. Isso desacelera o processo, o que permite aos cientistas mensurar a força de repulsa da energia escura.

"Observações dos astrônomos nos últimos 15 anos produziram uma dos mais surpreendentes descobertas da física, a expansão do universo, iniciado pelo big-bang, está acelerando", disse Jon Morse, diretor do departamento de astrofísica da Nasa em Washington. "Usando métodos totalmente independentes, os dados do satélite Galaxy Evolution Explorer ajudaram a aumentar nossa confiança na existência da energia escura".

Veja também:

link Astrônomos medem expansão do universo com precisão de 3,3%

link Cientistas não veem relação direta entre buracos negros e matéria escura

link Observação de galáxias distantes confirma ação de força oposta à gravidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.