Tiago Queiroz/AE
Tiago Queiroz/AE

Pesquisadores explicam os 'poderes' de instrumentos das estrelas do rock

Estudo mostrou como consumidores satisfazem seus fetiches musicais através de réplicas de guitarras

Estadão.com.br

15 Fevereiro 2011 | 11h45

"Assim como as pessoas da Idade Média que buscavam as relíquias dos santos, os consumidores modernos buscam em guitarras de rock seus fetiches e desejos - objetos vistos como mágicos e detentores de um poder extraordinário", escrevem Karen V. Fernandez, da Universidade de Aukland, na Nova Zelândia e John L . Lastovicka, da Universidade do Estado do Arizona, em sua pesquisa sobre a relação entre instrumentos e seus "poderes". O estudo foi publicado no Journal of Consumer Research.

 

"Vivemos em um mundo onde qualquer pessoa com uma modesta quantia de dinheiro pode comprar uma cópia parecida ou uma réplica de um objeto desejado", escrevem os autores. "Queríamos saber por que os consumidores, que desejavam um instrumento de uma estrela de rock em particular se contentam com réplicas, e como essas cópias se passam a ser percebidas como objetos especiais, mágicos, por si mesmos."

 

Os pesquisadores realizaram entrevistas com dezesseis homens que possuíam mais de uma guitarra e residiam na Nova Zelândia ou Estados Unidos. Eles descobriram que muitos participantes acreditavam na ideia da "magia contagiosa" (a ideia de que duas entidades que o toquem no objeto podem influenciar um ao outro). Por exemplo, muitos fãs querem ter os seus instrumentos assinados por estrelas do rock, e um músico explicou como ele usava cordas de guitarra descartadas por outra estrela do rock.

 

A pesquisa também revelou que as réplicas das guitarras apelam para a crença dos entrevistados na "mágica imitativa" (coisas que parecem iguais). "Muitas vezes, eles compraram a cópia mais fiel possível que eles poderiam conseguir e, em seguida, se necessário, fazem mais alterações para que o instrumento se assemelhe ainda mais ao objeto desejado", explicam os autores. Por exemplo, alguns consumidores mudam as alavancas em suas guitarras para se parecer mais com os instrumentos dos artistas que admiram.

 

Quando os músicos adquirem novos instrumentos, os tocam com frequência e acabam adquirindo uma ligação com esses objetos. "A guitarra então acaba sendo frequentemente percebida como uma confidente, companheira, colaboradora, esposa, namorada, ou musa de um músico", escrevem os autores. E os guitarristas encenam suas fantasias tocando suas guitarras em privado e em público.

 

"Um objeto de fetiche não garante uma gravação de sucesso, o campeonato para seu time, ou sua volta para casa a salvo depois de batalha", escrevem os autores. "No entanto, objetos de fetiche aumentam a confiança e reduzem a ansiedade e, consequentemente, aumentam o desempenho dos que o tocam."

Mais conteúdo sobre:
Música Instrumentos fetiche estudo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.