1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Pessoas que vivem sozinhas também vivem menos, aponta estudo

Reuters

19 Junho 2012 | 12h 00

Ter um companheiro nos estágios mais avançados da vida é fundamental, dizem médicos

Pessoas com problemas no coração que vivem sozinhas tendem a viver menos que aquelas com as mesmas complicações, mas que têm companheiros, aponta um estudo conduzido por médicos da Escola de Medicina de Harvard.

 

Embora as razões para isso sejam desconhecidas, o doutor Deepak Bhatt, que liderou o estudo, diz que a preocupação com a saúde e visitar regulares ao médico estão envolvidas. "Pacientes sós têm mais dificuldade de lembrar de tomar seus remédios e de reabastecer seus estoques. Eles também não têm ninguém para levá-los ao médico ou chamar o socorro caso não estejam bem", diz.

 

O estudo tentou englobar diversos aspectos, como sistema imunológico enfraquecido, enfartes e isolamento. Bhatt e seus colegas, porém, deram atenção especial às pessoas com doenças no coração ou com alto risco de desenvolvê-las. Mais de 44 mil pessoas foram avaliadas, todas com 45 anos ou mais e de várias nacionalidades.

 

Durante os quatro anos que o estudo durou, 7,7% dos entrevistados com menos de 65 anos que viviam morreram, ante 5,7% dos que tinham companheiros. A diferença foi menor no grupo entre 66 e 80 anos, mas atestou a conclusão mesmo quando considerada a separação por sexo, país e etnia.

 

Com os resultados, publicados nos Arquivos Internos de Medicina dos Estados Unidos, os pesquisadores especulam que entre as pessoas com menos de 80 anos, viver sozinho pode ter origem em desordens sociais ou psicológicas. Em contraste a isso, idosos com mais de 80 anos tendem a ser mais saudáveis e independentes que aqueles que êm companheiros.

 

Qualquer que seja a explicação, Bhatt diz que os cardiologistas devem perguntar aos seus pacientes se eles vivem sozinhos. "Se a resposta é sim, deve ser dado o aviso para que eles tomem seus remédios regularmente", afirma. Ele também que aponta que os pacientes devem estar alertas a mudanças que podem significar problemas de saúde.

 

Essas circunstâncias, porém, são apenas uma parte dos fatores que influenciam na longevidade. "Outras caracterista da vida a sós que podem aumentar o risto de doenças cardíacas têm origem social, como o isolamento. E essas são mais difíceis de melhorar", conclui, citando um outro estudo segundo o qual pessoas que vivem sozinhas têm mais dificuldades de executar tarefas básicas e domésticas.