AP
AP

Pfizer e Glaxo assinam acordo de 10 anos para vacina para pobres

Empresas fornecerão 60 milhões de doses de vacina pneumocócicas a preços reduzidos

Reuters

23 Março 2010 | 15h58

As empresas farmacêuticas Pfizer e GlaxoSmithKline assinaram um acordo de 10 anos nesta terça-feira, 23, para fornecer 60 milhões de doses ao ano de vacinas pneumocócicas a preços reduzidos para países em desenvolvimento.

 

Veja também:

linkSP imunizará 1 milhão de crianças contra meningite pneumocócica

 

O acordo, intermediado pela Aliança Gavi (Aliança Global para Vacinas e Imunização), sediada em Genebra, é o primeiro a ser assinado sob um novo esquema conhecido como Compromisso de Avanço no Mercado (AMC, sigla em inglês), que garante um mercado para as vacinas fornecidas a nações pobres, mas estabelecendo um preço máximo que as farmacêuticas podem receber.

 

A Gavi estima que a introdução de novas vacinas contra a doença pneumocócica, que causa sérias doenças como pneumonia e meningite, poderia salvar cerca de 900 mil vidas até 2015 e cerca de sete milhões de vidas até 2030.

 

A Glaxo e a Pfizer se comprometeram cada uma a fornecer 30 milhões de doses de suas vacinas Synfloriz e Prevnar à Gavi no período de 10 anos, a US$ 7 dólares a dose pelos primeiros 20% fornecidos, reduzindo o preço para US$ 3,50 pelos 80% restantes. Em comparação a Glaxo e a Pfizer cobram entre 54 e 108 dólares por vacina nos países ricos.

 

"Esse é um acordo histórico. Foi o resultado de quatro anos de trabalho e negociação intensos, e significa que neste ano, 2010, poderemos lançar uma vacina pneumocócica que pode combater uma das maiores causas de morte infantil nas partes mais pobres do mundo", disse em entrevista telefônica à Reuters Julian Lob-Levyt, chefe-executivo da Gavi.

 

Doença pneumocócica

 

A doença pneumocócica é responsável pela morte de cerca de 800 mil crianças com menos de cinco anos todo ano. No total, a doença mata cerca de 1,6 milhão de pessoas por ano e 95% dessas mortes ocorre na África e na Ásia.

 

A vacina Synflorix da Glaxo protege contra 10 linhagens da bactéria streptococcus pneumoniae, que causa a doença. Foi aprovada no final do ano passado pela Organização Mundial da Saúde para uso em países em desenvolvimento.

 

A Prevnar da Pfizer protege contra 13 linhagens e foi aprovada pelas agências reguladores dos EUA no início do mês.

 

A Gavi disse que empresas farmacêuticas ainda poderiam fazer ofertas seguindo a AMC pois novos pedidos de fornecimentos surgiriam com o tempo. Com a participação de mais empresas, o preço da vacina a longo prazo deve diminuir ainda mais.

 

O acordo para a vacina pneumocócica será financiado parcialmente pela Grã-Bretanha, Itália, Canadá, Rússia e Noruega, e a Fundação Bill & Melinda Gates, que assinou contrato em junho do ano passado para investir US$ 1,5 bilhão no projeto.

 

A Gavi disse que precisaria de mais US$ 1,5 bilhão nos próximos cinco anos para garantir o financiamento completo do programa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.