Porto Alegre entra na área de risco de febre amarela

Desde outubro de 2008, o Rio Grande do Sul registrou 18 casos de febre amarela, com 7 mortes

Sandra Hahn, da Agência Estado,

28 Abril 2009 | 19h36

A capital gaúcha passou a fazer parte, nesta terça-feira, 28, da área de risco de febre amarela, que abrange 290 municípios do Rio Grande do Sul. A Secretaria Estadual da Saúde confirmou, por meio de testes de laboratório, que dois macacos encontrados mortos na cidade vizinha de Guaíba contraíram a doença. O secretário da Saúde, Osmar Terra, recomendou a vacinação a todos os moradores de Porto Alegre e cidades próximas, de forma preventiva. 

 

Especial: conheça a febre amarela

 

Quem viajar para Porto Alegre e permanecer em áreas urbanas não corre risco de contrair a doença, disse o secretário. "É o mesmo risco de Brasília", comparou. A vacinação foi recomendada para cerca de 2 milhões de habitantes dos municípios próximos à capital, de forma a criar uma barreira ao vírus, explicou Terra.

 

O secretário observou que o risco de contrair a febre amarela está em áreas de florestas e próximas a elas, onde há incidência dos mosquitos que podem transmitir a doença. Incluindo a capital, 18 municípios foram adicionados à área de risco, quatro deles fora da região metropolitana.

 

Desde outubro de 2008, o Rio Grande do Sul registrou 18 casos de febre amarela, dos quais 11 pacientes se recuperaram e sete morreram. Nesse período, a presença do vírus foi confirmada em quase cem bugios.

 

O caminho provável de chegada do vírus ao Estado foi a partir da Amazônia, Pantanal brasileiro, Chaco paraguaio e províncias do nordeste da Argentina, descreveu Terra. Conforme o secretário, o órgão está em contato constante com o ministério para reforçar o estoque de vacinas no Estado. A secretaria informou que 400 mil doses estão disponíveis, das quais 300 mil em Porto Alegre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.