1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Prefeitura do Rio assume gestão de hospitais estaduais

- Atualizado: 06 Janeiro 2016 | 16h 06

Os hospitais Albert Schweitzer e Rocha Faria enfrentam problemas no atendimento ao público

Anúncio. UPAs e Samu serão mantidos com o Estado

Anúncio. UPAs e Samu serão mantidos com o Estado

RIO - A Prefeitura do Rio de Janeiro iniciou o processo para assumir a gestão de dois hospitais geridos pelo governo estadual. Na manhã desta quarta-feira, 6, autoridades do Estado e do município estiveram reunidas para formalizar a transferência da administração do Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, e do Hospital Rocha Faria, em Campo Grande, ambos na zona oeste do Rio.

A municipalização das duas unidades de saúde foi anunciada nesta terça e ocorre em meio a uma das piores crises que a rede pública de saúde do Rio já enfrentou. Os dois hospitais enfrentam problemas no atendimento ao público. Em dezembro, a emergência do Albert Schweitzer chegou a ficar suspensa.

O secretário de Governo da Prefeitura, Pedro Paulo Carvalho, disse que os dois hospitais continuarão administrados por organizações sociais (OSs). Ele também anunciou que as duas unidades receberão ainda na quarta-feira um aporte financeiro de R$ 26 milhões. Os recursos integram parte da segunda parcela do empréstimo feito pela prefeitura ao Estado em dezembro do ano passado, no valor total de R$ 100 milhões.

De acordo com o secretário, R$ 20 milhões vão para o Hospital Albert Schweitzer e R$ 6 milhões serão destinados ao Hospital Rocha Faria. "Esse dinheiro vai manter o salário dos funcionários em dia e os serviços em funcionamento", afirmou. De acordo com ele, a prefeitura assume os hospitais sem ter de arcar com dívidas do governo estadual com as OSs, pois "está tudo em dia".

O secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, disse que o contrato com a OS Hospital Maternidade Therezinha de Jesus (HMTJ), responsável por administrar o Albert Schweitzer, será rompido no próximo dia 31. "Vai ser de forma amigável, não teremos que ressarcir", disse. O contrato terminaria em fevereiro de 2017.

A partir de 1° de fevereiro deste ano, um contrato emergencial com a HMTJ deverá passar a vigorar, com prazo de 180 dias. Neste período, uma concorrência pública será realizada para contratação de uma nova OS que vai gerir o Albert Schweitzer. O trâmite será o mesmo em relação ao Hospital Rocha Faria, mas ainda não há definição se a OS Pró-Saúde continuará na unidade de saúde no período de contrato emergencial.

O Hospital Albert Schweitzer possui 484 leitos e realiza cerca de 10,5 mil atendimentos mensais. O Rocha Faria conta com 300 leitos e recebe por volta de 10 mil pacientes por mês.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX