Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Procura de remédio na rede pública cresce 30% em São Paulo

Atendimentos chegam a 5,4 milhões nos oito primeiros meses deste ano, contra 4,1 milhões no mesmo período de 2015; situação agrava falta de medicamentos

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

29 Agosto 2016 | 03h00
Atualizado 29 Agosto 2016 | 08h32

SÃO PAULO - Com a crise econômica e a diminuição de clientes dos planos de saúde, o número de paulistanos que retiram remédios na rede pública da capital cresceu 30% neste ano, passando de 4,1 milhões nos oito primeiros meses de 2015 para 5,4 milhões no mesmo período deste ano, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde obtidos com exclusividade pelo Estado.

A alta demanda agravou o quadro de falta de medicamentos básicos em algumas unidades e obrigou a secretaria a rever o planejamento de compras de cada uma das mais de 500 farmácias municipais. O problema é alvo de inquérito do Ministério Público Estadual.

De acordo com a pasta, o aumento da procura por medicamentos gratuitos se deve a duas principais razões: o crescimento do número de pessoas atendidas nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), onde ficam a maior parte das farmácias, e a migração de pacientes da rede privada para a pública. Somente na cidade de São Paulo, 330 mil pessoas deixaram de ter plano de saúde entre 2014 e 2016, segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

“Embora esses medicamentos básicos não sejam ofertados pelos planos, muita gente que começou a se consultar no SUS ficou sabendo quais remédios estão disponíveis de graça e passaram a usar esse serviço. Tem aqueles pacientes também que continuam na rede privada, mas que, para poupar um pouco de dinheiro nesse momento de crise, passaram a retirar os remédios nas farmácias dos postos. Tivemos um aumento de receitas vindas da rede privada”, afirma o secretário municipal da Saúde, Alexandre Padilha.

Segundo o secretário, 32% das prescrições recebidas nas farmácias da Prefeitura neste ano vieram de médicos particulares ou de unidades de outros municípios. No ano passado, esse porcentual era de 26%.

Mudança. Foi no último mês de junho, quando cancelou o plano de saúde, que a técnica de enfermagem Patrícia de Oliveira, de 37 anos, passou a buscar atendimento e medicamentos na rede pública. “Eu tinha um convênio que custava R$ 437, mas fui avisada que subiria para R$ 690. Não dava mais para pagar”, conta. No mês seguinte, ela passou mal e precisou ir a um médico da Assistência Médica Ambulatorial (AMA) próxima de sua casa, na Vila Nova Cachoeirinha, zona norte. “O médico me passou buscopan e dipirona e já peguei no posto mesmo para economizar. Tive a sorte de encontrar, porque minha mãe sempre retira os medicamentos na farmácia do posto e tem alguns que vivem faltando”, conta ela.

Na última quinta-feira, Patrícia levou a mãe, a aposentada Antonia Costa de Oliveira, de 65 anos, à AMA por causa de uma crise de bronquite. “Dessa vez não tivemos tanta sorte porque um dos remédios, o prednisona, está em falta. Vamos ter que comprar agora, mas está uns R$ 30, não é tão barato”, reclama Patrícia.

Para Mário Scheffer, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), o aumento da demanda por remédios pode também estar relacionado ao crescimento da oferta de consultas. “Houve uma expansão da atenção básica nos últimos anos. Se as consultas aumentam, a retirada de medicamentos também”, diz.

Dos cinco remédios mais retirados, quatro são indicados para o tratamento de doenças crônicas, como hipertensão e diabete. As zonas leste e sul, as mais populosas da capital, são as responsáveis pela maior demanda de remédios. Do total de pacientes atendidos nas farmácias municipais neste ano, 25,6% eram moradores da região leste e 24,4%, da sul.

A secretaria lançou em 2015 o aplicativo Aqui Tem Remédio, que indica os medicamentos disponíveis em cada unidade. O app já é o mais usado da Prefeitura, com 300 mil acessos.

Falta de medicamentos. Uma fiscalização feita pelo Ministério Público Estadual em maio em colaboração com o Conselho Regional de Farmácia em cinco Unidades Básicas de Saúde (UBSs) concluiu que 30% dos medicamentos da lista do SUS estão em falta no Município. O desabastecimento de medicamentos em farmácias de unidades municipais e estaduais é alvo de um inquérito civil aberto no ano passado pela promotora Dora Martin Strilicherk, da Saúde Pública.

Após as falhas constatadas na fiscalização, a Promotoria fez uma série de recomendações à Prefeitura para melhorar a gestão da área. Segundo o MPE, no entanto, as medidas adotadas pela secretaria até agora foram insuficientes e os problemas de desabastecimento continuam.

Mesma avaliação tem os usuários de UBSs visitadas pela reportagem na última quinta. “Já faz uns seis meses que tento retirar o sinvastatina para a minha mãe, mas nunca tem. Ela tem pressão alta, colesterol, diabete, acabou de amputar uma perna e já temos que comprar vários remédios. Com esse que está em falta, é um custo a mais”, reclama a dona de casa Stefane Barbosa, de 18 anos.

A pedagoga Maria de Fátima de Souza Bastos, de 48 anos, também não conseguiu retirar medicamento para a mãe, de 80 anos, que sofre de diabete. “Já me orientaram aqui no posto a comprar porque, mesmo quando chega, o estoque acaba rapidinho”, diz ela, que buscava o cloridrato de metformina.

O secretário municipal da Saúde, Alexandre Padilha, afirma que a falta de remédios é causada principalmente pelo atraso na entrega dos pedidos por parte dos fornecedores e pelo crescimento da demanda. “Aumentamos o número de punições aos fornecedores que atrasam e estamos fazendo uma revisão mensal do consumo médio de cada unidade para planejar melhor as compras”, diz.

Padilha foi convocado para uma reunião no MPE, amanhã, para prestar maiores esclarecimentos sobre as medidas adotadas pela Prefeitura para minimizar o problema. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.