Wagner Souza/Futura Press
Wagner Souza/Futura Press

Procura faz vacina contra H1N1 acabar no interior de São Paulo

Parte do público-alvo ficou sem receber a dose no Dia D; novo lote foi recebido pelo Estado; campanha deve ser retomada nesta 2ª

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

02 Maio 2016 | 03h00

SOROCABA - A campanha de imunização contra a gripe mal começou no interior paulista e o medo da H1N1 fez com que os lotes da vacina se esgotassem em várias regiões. Para muitos, a correria do Dia D foi em vão: idosos, crianças e gestantes foram mandados de volta para casa sem receber imunização. O anúncio de novas mortes pela doença contribuiu para aumentar as filas nos postos. A expectativa é de que, a partir desta segunda, 2, as unidades de saúde sejam reabastecidas.

Em Limeira, as 20 mil doses acabaram no início da tarde de sábado e ainda faltam 36 mil pessoas para receber a vacina. A campanha deve ser retomada na quarta-feira. Na manhã de sábado, enquanto as filas se formavam nos postos, a Vigilância Epidemiológica confirmava a primeira morte pelo H1N1 na cidade. A vítima, um homem de 56 anos, tinha problemas cardíacos e estava internada na Santa Casa.

Em Ibaté, na região de São Carlos, a confirmação da primeira morte por H1N1 também causou corrida aos postos e faltou vacina. A moradora de 51 anos estava internada na Santa Casa da cidade. Na região, além de Ibaté, as vacinas também foram insuficientes em São Carlos, Matão e Conchal.

A prefeitura de Piracicaba conseguiu um reforço extra de mil doses. Mesmo assim as vacinas acabaram em menos de oito horas. A cidade deve receber mais 32 mil doses nesta segunda, mas a imunização está suspensa até quarta-feira, tempo necessário para a distribuição do item. 

Quem foi aos postos de vacinação de Botucatu após o meio-dia encontrou as portas fechadas. A cidade recebeu apenas um terço da quantia esperada de vacinas. As 32 mil doses acabaram uma hora antes do previsto em Bauru – a cidade pretende imunizar 80 mil pessoas. Marília também encerrou os serviços mais cedo: das 53 mil doses necessárias, chegaram 17,9 mil. Faltaram doses da vacina também no oeste paulista, na Baixada Santista e no Vale do Ribeira.

Houve filas nos postos de Campinas, mas a imunização foi suficiente. A campanha nesta fase é para idosos, crianças e gestantes. Os demais grupos de risco serão vacinados a partir do próximo dia 9. A cidade havia recebido um estoque de 270 mil doses e, até domingo, não tinha sido divulgado o total de pessoas já vacinadas.

Comunicado. A Secretaria Estadual da Saúde informou ter comunicado o Ministério da Saúde que a quantidade de vacinas enviadas para São Paulo seria insuficiente para atender a toda a demanda. Uma nova remessa foi recebida na tarde de sexta-feira e deve ser repassada aos municípios a partir de hoje. 

Segundo a pasta, São Paulo recebeu 9,9 milhões de doses, mas o total necessário para imunizar o público-alvo é de 12,7 milhões. O ministério informou que vai completar o repasse previsto até o dia 13.

A campanha de vacinação prossegue até o dia 20. Balanço preliminar divulgado pela Secretaria Estadual da Saúde no início da noite de sábado indicou que 5.470.755 de pessoas foram vacinadas.

A data foi chamada de Dia D por ter marcado o início oficial da campanha de vacinação. Na capital e Grande São Paulo, entretanto, a vacinação deste ano foi antecipada e começou no dia 4 do mês passado. 

No Estado, foram notificados, até o dia 19 do mês passado, 1.092 casos e 128 óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) atribuídos ao vírus influenza. Do total, 883 casos e 119 óbitos foram relacionados ao H1N1. Ao longo do ano passado, foram 342 casos de SRAG em todo o Estado de São Paulo, com 65 óbitos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.