Sergio Moraes/Reuters
Sergio Moraes/Reuters

'Recursos são limitados. Não é possível dar tudo a todos', diz ministro da Saúde

Ricardo Barros saiu em defesa da PEC do Teto e afirmou que o limite de gastos não vai prejudicar os investimentos na Saúde

Isabela Bonfim, O Estado de S. Paulo

17 Novembro 2016 | 18h46

BRASÍLIA - O ministro da Saúde, Ricardo Barros, defendeu que os recursos para a pasta não são infinitos, durante uma audiência pública na Câmara para prestação de contas do setor. "Não podemos tratar ideologicamente essa discussão de recursos da Saúde. Os recursos são limitados à capacidade contributiva do cidadão brasileiro. Não é possível dar tudo para todos", disse.

Ele citou como exemplo a decisão que o Supremo Tribunal Federal (STF) deve tomar sobre a responsabilidade dos 26 Estados e do Distrito Federal de prestar assistência no fornecimento de medicamentos de alto custo para pacientes de doenças raras e graves, com contribuição financeira da União.

"Precisamos que o Supremo decida se o SUS é tudo para todos - o que é uma tarefa impossível de ser alcançada, porque não há arrecadação ilimitada; ou se o SUS é tudo o que está disponível ofertado para todos", disse.

O ministro também saiu em defesa da PEC do Teto e afirmou que o limite de gastos não vai prejudicar os investimentos na Saúde. "A PEC não é um problema para a saúde e educação, é um desafio para colocarmos o País de novo nos trilhos do crescimento econômico." 

Ele defende que a PEC é necessária por causa do momento econômico, mas que pode ser revista quando houver mais verba à disposição do governo. "Estamos votando a PEC porque este momento do Brasil nos implica fazer isso. Se tivermos outro momento de bonança, sei que o Congresso vai adotar uma nova regra para os gastos públicos", afirmou. 

 

Mais conteúdo sobre:
Saúde STF União SUS PEC Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.