Rede de cientistas divulga descobertas sobre o DNA humano

Na maior série de descobertas sobre o DNA humano desde a realização do projeto genoma humano em 2003, 442 cientistas em laboratórios de três continentes divulgaram um pacote de 30 estudos com descobertas nesta quarta-feira.

SHARON BEGLEY, Reuters

05 Setembro 2012 | 15h38

As descobertas, representando o que a revista Nature classificou de "guia para o genoma humano", vão do mais genérico - o que é um gene? - ao prático - que apenas 20 mudanças genéticas podem estar por trás de 17 tipos de câncer aparentemente não relacionados, dando às empresas um número exequível de metas para drogas.

Os estudos vêm de um projeto de 196 milhões de dólares chamado Enciclopédia dos Elementos do DNA, ou Encode, cujo objetivo é dar sentido à babel produzida pelo projeto do genoma humano - a sequência das 3,2 bilhões de "bases" químicas ou "letras" que constituem o genoma humano.

"Nós compreendemos apenas uma pequena porcentagem das letras do genoma", disse Eric Green, diretor do Instituto Nacional de Pesquisa sobre o Genoma Humano, que pagou pele maior parte do estudo.

LISTA PARA O HOMO SAPIENS

O Encode foi lançado em 2003 para desenvolver uma "lista de peças" completa para o Homo Sapiens ao identificar e apontar a localização de todas as partes do genoma que fazem algo - "um mapa de referência de todos os elementos funcionais no genoma humano", disse o geneticista Joseph Ecker, do Instituto Salk para Estudos Biológicos, de La Jolla, na Califórnia.

Os elementos mais bem conhecidos do genoma são os cerca de 21 mil genes que especificam quais proteínas são feitas por uma célula. O gene da dopamina produz dopamina em células do cérebro, por exemplo, e o gene da insulina produz insulina no pâncreas.

Apenas cerca de 1 por cento do genoma, no entanto, codifica para proteínas e o desafio é descobrir a função dos outros 99 por cento, que durante anos foram chamados de "junk DNA" por não codificar para proteínas.

Mais conteúdo sobre:
CIENCIA GENOMA HUMANO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.