1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Rio tem 2 mil casos suspeitos de dengue neste ano

- Atualizado: 19 Janeiro 2016 | 19h 49

O número de registros aumentou cerca de 200% em relação ao último boletim, divulgado na semana passada

RIO - O governo do Estado do Rio informou na tarde desta terça-feira, 19, que nos 18 primeiros dias do ano houve 2.002 notificações de casos suspeitos de dengue, sem nenhuma morte. O número de registros aumentou cerca de 200% em relação ao último boletim divulgado pela Superintendência de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da Secretaria de Estado de Saúde. 

Na semana passada, o órgão divulgou que, até o último dia 12, tinham sido notificados 661 casos suspeitos de dengue no Estado neste ano. Ou seja, desta data até o último dia 18, surgiram mais 1.341 novos casos. Para a secretaria, o aumento não significa que sejam casos novos. Existe a suspeita de que os registros pelos municípios não são precisos por causa dos feriados no fim do ano.

Em 2015, foram registrados 69.516 casos suspeitos de dengue no Estado do Rio, com 22 óbitos: Barra Mansa (1), Campos dos Goytacazes (4), Itatiaia (1), Miracema (1), Paraty (2), Piraí (1), Porto Real (2), Quatis (1), Resende (8), e Volta Redonda (1). Para reduzir os impactos causados pela dengue, a secretaria informa que realiza uma série de ações de prevenção, como incentivar a população a retirar os focos do mosquito transmissor da dengue, zika e a chikungunya. 

A secretaria informou ter capacitado médicos e enfermeiros de hospitais estaduais, federais, particulares, Unidades de Pronto-Atendimento, Forças Armadas e Corpo de Bombeiros na tentativa de padronizar o atendimento a pacientes com a doença. 

Dicas para evitar o mosquito 'Aedes aegypti'
James Gathany/CDC/AP
'Aedes aegypti'

O mosquito 'Aedes aegypti' é transmissor do zika vírus, da dengue e da chikungunya; veja a seguir dicas para evitá-lo

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX