1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Rio vai intensificar ações para evitar avanço do zika vírus na Olimpíada

- Atualizado: 25 Janeiro 2016 | 08h 45

No mês que antecede a abertura dos Jogos, locais de competição e de grande aglomeração de público serão vistoriados pelos agentes da prefeitura

A Secretaria Municipal de Saúde do Rio anunciou que vai intensificar, a partir de abril, os cuidados e ações de prevenção para evitar o avanço do zika vírus e de outras doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. O objetivo é prevenir o avanço dessas moléstias durante os Jogos Olímpicos de 2016, que começam em 5 de agosto. O evento vai atrair para a cidade milhares de visitantes, do Brasil e do exterior. 

No mês que antecede a abertura dos Jogos, todos os locais de competição e de grande aglomeração de público e seus arredores serão vistoriados pelos agentes da prefeitura. Reservatórios de água remanescentes de obras serão eliminados ou, quando isso não for possível, tratados para impedir o desenvolvimento de larvas do mosquito. Inseticidas também deverão ser usados no trabalho de limpeza e prevenção.

“Apesar de (agosto) ser uma época com menos incidência do mosquito, a prefeitura vai intensificar as inspeções”, afirma a Secretaria em nota. 

Atualmente, mais de três mil agentes atuam em visitas a possíveis focos de desenvolvimento do mosquito, que é transmissor da dengue, da zika e da chikungunya. A transmissão ocorre durante todo o ano, mas ocorre com mais frequência durante o verão, quando o calor favorece a eclosão das larvas do inseto. Elas encontram o ambiente ideal para reprodução em repositórios de água parada.

“Todos os locais de obras de instalações olímpicas já recebem visitas ininterruptamente para controle de possíveis focos do mosquito e esse trabalho vai ser intensificado já a partir de abril”, diz a prefeitura.

“Os funcionários do local serão orientados para, ao longo dos dias de competição, estarem atentos para identificarem e eliminares depósitos. Um copo plástico jogado e esquecido num jardim, por exemplo, pode acumular água e virar um potencial criadouro do mosquito”, afirma a Secretaria.

O órgão, no entanto, não detalhou se haverá aumento no número de agentes durante a operação intensificada de combate ao mosquito. Apenas informou que todas as instalações olímpicas terão pelo menos um encarregado de vigilância ambiental de saúde credenciado e fixo. Nos locais maiores, pode haver até três agentes fixos. 

“Eles atuarão diariamente na busca, eliminação ou tratamento de depósitos que possam se tornar potenciais focos do mosquito”, explica a Secretaria. Equipes de vigilância ambiental em saúde trabalharão nos arredores para controlar a presença do mosquito em toda a região.

Recentemente, o vírus zika foi apontado como um dos causadores de microcefalia em bebês, após mulheres grávidas terem contraído a doença. Outros distúrbios têm sido atribuído à infecção pelo zika, como a síndrome rara de Guillain-Barré, que afeta o sistema nervoso.

Diante da gravidade e do número de casos no Brasil, autoridades internacionais têm recomendado maiores cuidados a turistas que vêm ao País. O governo dos Estados Unidos chegou a recomendar que mulheres grávidas evitem viagens ao Brasil neste momento.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX