Ritmo de mortes por gripe suína está caindo, diz México

Segundo dados oficiais, número de mortos baixou de seis no sábado para três nas últimas 24 horas

Efe,

28 Abril 2009 | 01h11

O ministro da Saúde mexicano, José Ángel Córdova, informou na segunda-feira, 27, que o ritmo de mortes pelo surto de gripe suína está caindo nos últimos três dias.

 

Veja também:

linkOMS eleva nível de emergência da epidemia de gripe suína

linkCosta Rica tem 5 casos suspeitos de gripe suína

linkInfraero anuncia plano de prevenção da gripe em aeroportos

linkOMS, governos e empresas montam esquema pra conter gripe

linkPeru detecta suspeita de gripe suína em voo vindo do México

linkBrasil não precisa se preocupar com gripe suína, diz Lula

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde

linkPaíses recomendam adiemento de viagem a áreas afetadas

linkMéxico suspende aulas em todo o país; mortes são 149

linkGripe suína registrada em cinco Estados dos Estados Unidos

linkEstado de emergência é 'precaução', diz Obama

especialEntenda a doença e saiba como ela é transmitida

especialVeja como é a ação do vírus H1N1

mais imagens Galeria: Gripe Suína

 

 

Segundo Córdova, o ritmo de mortes passou de seis no sábado, para cinco no domingo e três nas últimas 24 horas, aparentemente em alusão às mortes confirmadas.

 

Em entrevista coletiva conjunta com a chanceler, Patricia Espinosa, e o secretário do Trabalho, Javier Lozano, entre outros funcionários, o ministro da Saúde mexicano disse que estes dados apresentam "um panorama encorajador".

 

"O número de contagiados também registrou uma redução nas últimas 24 horas, em comparação com o dia 25 (de abril), quando houve 141 casos. No dia 26, foram 119 e (...) hoje, 110", acrescentou o ministro.

 

Os dados, explicou Córdova, se baseiam nos números oferecidos pelo Instituto de Segurança e Serviços Sociais dos Trabalhadores do Estado (ISSTE) e o Instituto Mexicano do Seguro Social (IMSS), especialmente desta última instituição.

 

Horas antes, o funcionário havia dito que o número de mortos associados supostamente à gripe chegava 149, dos quais em 20 casos tinha sido confirmado em laboratório o vírus A/H1N1, causador da gripe suína.

 

Na entrevista coletiva, Córdova assegurou que "as autoridades mexicanas agiram com toda a oportunidade, indo além dos requerimentos internacionais".

 

Sobre a decisão da Organização Mundial da Saúde (OMS) de aumentar o nível de alerta pandêmico da fase 3 à 4 de uma escala de 6, indicou que significa basicamente "uma intensificação das atividades de combate à epidemia".

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.