1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Saneamento e leite materno podem reduzir mortalidade infantil

Agência Brasil

05 Junho 2010 | 22h 01

Índice no Brasil caiu 61,7% desde 1990, mas o País ainda está longe das taxas de Islândia e Suécia

SÃO PAULO - Os índices de mortalidade infantil ainda são altos no Brasil, principalmente no Norte e Nordeste, regiões que também apresentam carência de saneamento básico. Segundo o médico Evandro Roberto Baldacci, que trabalha no Instituto da Criança do Hospital das Clínicas, em São Paulo, "sem saneamento não se reduz a taxa de mortalidade infantil".

 

O estudo realizado pelo Institute for Health Metrics and Evaluation e divulgado recentemente pela revista médica britânica 'The Lancet' mostrou que a taxa de mortalidade infantil no Brasil caiu 61,7%, passando de 52,04 mortes por mil nascimentos em 1990 para 19,88 mortes por mil em 2010. Com isso, o País se aproxima do cumprimento da meta do milênio, que é chegar a 2015 com uma taxa de 15 mortes a cada mil nascidos.

 

Apesar da queda, o Brasil ainda está longe dos índices registrados em países como Islândia, Suécia e Chipre - três mortes por mil nascimentos - e também fica atrás de outros países da América do Sul, como o Chile (6,48 mortes por mil), a Colômbia (15,31) e Argentina (12,88).

 

"Com toda a certeza, o Brasil será um dos poucos países do mundo que vai cumprir essa redução de taxa. É uma alegria, porque a gente está conseguindo alcançar a meta. Mas não é para ficar sentado em cima dessa glória porque, na verdade, ainda está ruim", afirmou Baldacci.

 

Segundo o médico, a falta de acesso ao saneamento básico é uma das explicações para os altos índices de mortalidade infantil no Brasil. Um estudo do Instituto Trata Brasil, com números de 2008, mostra um deficit de 49,1% no acesso à rede de esgoto no País. Os Estados com maior carência são Piauí (com 97,49%), Amapá (96,44%), Rondônia (96,2%), Pará (95,1%) e Maranhão (88,63%).

 

A conclusão do instituto é de que, nos locais sem acesso a saneamento, as chances de uma mulher ter um filho nascido morto são de 23,8%, número que cai para 10,8% nas regiões atendidas por redes de esgoto. No ranking de Estados com maior taxa de mortalidade infantil, as oito primeiras posições são de unidades do Nordeste, com a Paraíba na liderança.

 

"A queda da mortalidade infantil ocorreu de forma significativa no Brasil há muito tempo; nas regiões Sul e Sudeste e com menor impacto no Centro-Oeste. Mas, no Norte e Nordeste, essa queda vem acontecendo de forma mais lenta." Segundo Baldacci, os fatores que contribuíram para a redução do índice no Sudeste foram a distribuição de água, a rede de esgoto, o incentivo ao aleitamento materno e os cuidados pré-natais e perinatais.

 

Além da questão do saneamento, Baldacci destacou a importância de uma campanha de incentivo ao aleitamento materno, que, segundo ele, poderia contribuir para uma redução da taxa de mortalidade infantil no País. "O aleitamento materno, além de proteger das infecções, ajuda a evitar a desnutrição. As infecções provocam diarreia e a desnutrição facilita a diarreia e outras infecções. O uso do leite materno reduz muito os riscos de mortalidade", completa.