Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Santa Casa suspende plano de demissões

Conforme antecipado pelo 'Estado' há um mês, o superintendente da instituição, Irineu Massaia, planejava demitir mais de mil funcionários

Fabiana Cambricoli, Fernando Arbex, O Estado de S.Paulo

28 Janeiro 2015 | 19h27

Atualizado às 21 horas

SÃO PAULO - Em crise financeira, a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo decidiu recuar no plano de demissões anunciado em dezembro. Conforme antecipou o Estado no mês passado, o superintendente da instituição, Irineu Massaia, planejava demitir mais de mil funcionários para reduzir custos com folha de pagamento. Nesta quarta-feira, 28, a Mesa Administrativa da entidade decidiu suspender a medida.

Nenhum funcionário havia sido demitido até então, mas o número de dispensas (1.100) já havia sido comunicado pela direção do complexo hospitalar ao Ministério Público do Trabalho (MPT), em audiência realizada na sexta-feira passada. Em reunião realizada na manhã desta quarta, no entanto, a Mesa Administrativa, formada por 50 integrantes da irmandade da Santa Casa, incluindo o provedor, decidiu suspender o plano de demissões e realizar um novo estudo de readequação do quadro de funcionários.

Em dezembro, o superintendente havia dito que um primeiro estudo apontou excesso de funcionários, principalmente da área administrativa. Ele afirmou que o corte de 20% da folha de pagamento representaria uma economia de cerca de R$ 4 milhões mensais para a Santa Casa.

Auditoria externa encomendada pela Secretaria Estadual da Saúde e divulgada também em dezembro apontou o problema na folha de pagamento. De acordo com os auditores, a Santa Casa apresenta uma média de 21 funcionários por leito, enquanto a média dos demais hospitais é de cinco trabalhadores por leito. A assessoria da Santa Casa não informou se as demissões não ocorrerão mais ou se serão realizadas futuramente.

Outra medida. A reunião desta quarta foi a primeira após a licença de Kalil Rocha Abdalla, provedor que pediu afastamento. O cargo está sendo ocupado interinamente pelo vice, Ruy Altenfelder, por pelo menos 90 dias, prazo inicial da licença.

No encontro de quarta, a Mesa também aprovou a venda de imóveis desocupados da Santa Casa. O objetivo, de acordo com a assessoria da entidade, é conseguir dinheiro para reequilibrar as contas da instituição, que acumula déficit financeiro superior a R$ 400 milhões. Não foram informados quantos imóveis serão vendidos nem o valor previsto de arrecadação com as transações.

Ato. Durante a reunião, mais de 200 funcionários da Santa Casa fizeram um protesto na frente da Provedoria da instituição, pedindo a saída definitiva de Abdalla. Para que isso aconteça, seria necessária a renúncia espontânea dele ou a convocação de uma assembleia extraordinária da irmandade para a realização de novas eleições.

A assembleia pode ser convocada pelo provedor em exercício ou se mais de um quinto dos cerca de 500 membros da irmandade assinar um requerimento solicitando a convocação. A assessoria da Santa Casa não quis falar sobre o ato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.