São Paulo ganhará maior centro de treinamento médico da AL

Complexo construído pela multinacional Johnson & Johnson poderá capacitar anualmente 7 mil profissionais

Efe,

28 Janeiro 2010 | 08h56

A multinacional americana Johnson & Johnson apresentou nesta quarta-feira, 27, em São Paulo o maior centro de treinamento médico da América Latina, que conta com modernos equipamentos para capacitar anualmente cerca de sete mil profissionais e estará aberto a alunos de toda a região.

 

O Medical Innovation Institute será inaugurado no próximo dia 1º e será o primeiro da América Latina a reunir em um mesmo lugar um amplo conjunto de equipamentos de alta tecnologia para o treinamento de profissionais da saúde.

 

"O centro conta com uma tecnologia que já estava disponível na América Latina, mas será o primeiro da região que reunirá todos esses equipamentos em um mesmo local. Já o profissional não vai ter que se deslocar de país em país para treinar", comentou em entrevista coletiva o diretor do instituto, George Marques Filho.

 

Marques Filho destacou também que, com os equipamentos, diminuem os custos e o impacto de utilizar animais nos treinamentos.

 

A Johnson & Johnson, que em 2008 investiu US$ 2,5 bilhões em pesquisa e desenvolvimento médico, não divulgou o montante do investimento para criar o instituto, que ocupa uma área de 4.500 metros quadrados.

 

Em seu primeiro ano, com uma capacitação gratuita, o instituto treinará quatro mil profissionais de saúde e de áreas administrativas ligadas ao setor.

 

A presidente da divisão médica da companhia no Brasil, Regina Navarro, apontou que existe a possibilidade de realizar convênios para treinar profissionais que trabalham em entidades públicas dos países latino-americanos e acordos com as universidades da região.

 

Segundo Navarro, São Paulo foi escolhida para receber o centro de treino por ser um ponto estratégico em termos de conexão com os demais países e uma referência médica na região para diversos profissionais que buscam capacitação.

 

O instituto conta com uma sala de cirurgia equipada com monitores para acompanhar as operações e com capacidade para transmitir as imagens para qualquer parte do mundo ou receber a assessoria de um médico à distância.

 

Uma série de simuladores de realidade virtual, similares aos de voo, permitirá também que os novos cirurgiões aperfeiçoem seu desempenho na sala de cirurgia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.