São Paulo realiza neste sábado o maior Mutirão do Coração do País

Segunda edição espera atender 500 mil pessoas em 137 unidades da capital e de Campinas

estadão.com.br

22 Novembro 2010 | 16h04

SÃO PAULO - A Secretaria de Estado da Saúde realiza neste sábado, 27, das 9h às 17h, o 2º Mutirão do Coração. A ação é uma parceria com a Sociedade de Cardiologia do Estado (Socesp), as prefeituras de São Paulo e Campinas, a Federação dos Hospitais Filantrópicos e a Universidade Nove de Julho.

O objetivo é avaliar o risco que os pacientes têm de sofrer algum tipo de problema cardíaco nos próximos cinco anos. Para essa avaliação, eles passarão por medição de peso, altura, circunferência abdominal e pressão, além de responder a um questionário sobre hábitos de vida. Quem for classificado em risco será encaminhado para acompanhamento em uma unidade pública de saúde.

O mutirão tem capacidade para atender 500 mil pessoas. Para isso, serão oferecidas 137 unidades de atendimento. Destas, 85 são Unidades Básicas de Saúde (UBS) da cidade de São Paulo, 5 de Campinas, 30 da rede estadual de saúde, 13 hospitais filantrópicos e 4 ambulatórios da Uninove.

Para participar, não é necessário agendamento prévio: basta comparecer à unidade de saúde participante, apresentar CPF ou cartão do SUS. O endereço dos locais e outras informações podem ser obtidas por meio dos sites www.mutiraodocoracao.com.br (disponível a partir desta terça, 23) e www.saude.sp.gov.br.

"Vamos orientar as pessoas que hoje já apresentam risco de desenvolver doença cardíaca e incentivar a prevenção daquelas que ainda não o têm. As doenças cardiovasculares estão entre as principais causas de morte da população paulista", afirma o secretário de Estado da Saúde, Nilson Ferraz Paschoa.

A população com idade entre 35 e 74 anos - faixa onde o risco é mais elevado - receberá o resultado da avaliação (baixo, moderado e alto) com orientação para procurar acompanhamento de um profissional caso o risco seja moderado ou alto. Pessoas abaixo de 35 e acima de 74 anos podem ter os dados coletados, mas não receberão o resultado de risco, considerado impreciso pelos especialistas nessas faixas etárias.

Fatores de risco

A análise dos dados do primeiro Mutirão de Avaliação de Risco Cardiovascular, promovido pela Secretaria da Saúde e pela Socesp, revelou que 75% dos participantes têm pelo menos três fatores de risco cardiovascular.

A pesquisa revelou também que 33,7% têm alto risco de desenvolver doenças cardiovasculares. O estudo, feito com base em quase 100 mil pessoas que participaram da ação, foi o mais amplo sobre o tema já feito no País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.