Satélite mostra deslocamento do solo após terremoto no Japão

Cientistas usam técnica conhecida como InSAR para verificar as alterações

estadão.com.br,

30 Março 2011 | 11h17

SÃO PAULO - Cientistas estão usando imagens do satélite Envisat, da Agência Espacial Europeia (ESA), para compreender melhor os eventos tectônicos a partir do terremoto de magnitude 9 que atingiu o Japão em 11 de março.

Veja também:

linkSismo deslocou eixo da Terra em cerca de 10 centímetros

link Terremoto do Japão deixou o dia mais curto, diz Nasa

As imagens registradas nos dias 19 de fevereiro e 21 de março podem ser comparadas para mostrar como o tremor afetou a região. As comparações da imagens mostraram um deslocamento do solo de 2.5 metros para o leste e um movimento descendente na costa leste da ilha de Honshu. Cientistas italianos do Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia também usaram dados do satélite Envisat para mostrar um deslocamento da solo com alteração máxima de 2.5 metros.

A técnica usada pelos cientistas é conhecida como InSAR, sigla para Interferometria por radar de abertura sintética. Ela combina imagens do solo capturadas a partir da mesma posição do satélite no espaço e da mesma localização na Terra, mas em datas diferentes.

Mais conteúdo sobre:
terremoto deslocamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.