Saúde define documento para atendimento de travestis em SP

Secretaria Estadual orientará sobre doses adequadas na hormonioterapia e acompanhamento fonoaudiológico

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

28 Janeiro 2010 | 11h30

A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo definiu o primeiro protocolo para o atendimento de travestis do país, que terá, entre outros procedimentos, as doses adequadas na hormonioterapia, acompanhamento fonoaudiológico e avaliação urológica.

 

Veja também:

linkItália anuncia criação de presídio exclusivo para transexuais 

 

O documento, definido pelo Ambulatório de Saúde Integral para Travestis e Transexuais do Centro de Referência e Treinamento DST/Aids, inclui a orientação e definições de dosagens em relação ao uso de hormônios, acompanhamento e tratamento das complicações decorrentes do uso de silicone industrial, avaliações urológicas, proctológicas, entre outras.

 

O ambulatório também incluiu no documento o acompanhamento fonoaudiológico aos usuários para adequação e treino vocal e garante a realização de avaliações para a realização de procedimentos estéticos-reparadores (cirurgia plástica) necessários para a melhor adequação da identidade de gênero, colocação de próteses e procedimentos terapêuticos necessários para reparar danos provocados pela colocação de silicone industrial, entre outros procedimentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.