Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Saúde

Saúde » Sexo vale a pena?

Saúde

 

Saúde

metropole

Sexo vale a pena?

Sexo é bom, mas dá trabalho. Os seres vivos que usam essa estratégia reprodutiva gastam muita energia. Precisam encontrar um par, competir por ele, fazer a corte, tudo para copular, e a cópula nem sempre garante a reprodução. Essas atividades dão tanto trabalho que provavelmente seriam abandonadas se não fossem garantidas por um instinto sexual fortíssimo e um grande prazer associado ao ato sexual. Em espécies como a nossa, até preliminares, como a procura do par e a corte, se transformaram em atos prazerosos. Tudo para garantir que a reprodução ocorra.

0

Fernando Reinach

19 Março 2016 | 07h16

Mas existe a reprodução sem sexo, chamada de assexual. Alguns organismos, como bananas e bactérias, simplesmente crescem e se dividem. A vida fica mais simples, não precisam procurar um par e não gastam tanta energia nesse processo complicado chamado sexo. Basta produzir um broto ou se dividir ao meio. Se você acha isso estranho, lembre-se que todas as células que compõem seu corpo se reproduzem de maneira assexual, simplesmente se dividindo ao meio. As únicas que não seguem esse protocolo são os espermatozoides e óvulos.

Aí vem a questão. Qual a vantagem auferida pelos seres vivos que praticam o sexo? Se ele custa tão caro, por que todos os seres vivos não se reproduzem de maneira assexual? Invertendo a pergunta, se o sexo é tão comum entre seres vivos, ele deve fornecer alguma vantagem evolutiva, senão já teria desaparecido. Que vantagem é essa?

Faz décadas que os teóricos da biologia propuseram uma explicação. Os organismos que praticam o sexo se adaptam mais rapidamente ao meio ambiente, e essa vantagem justifica o gasto extra. Isso ocorreria porque durante a reprodução sexuada os genes dos dois participantes são misturados. Além disso, na produção dos gametas (óvulos e espermatozoides) existe um processo que separa genes que se encontram próximos em um mesmo cromossoma, o que aumenta o número de combinações. Esse processo de mistura, que já é bem conhecido e comprovado, permitiria que as mutações benéficas fossem selecionadas mais rapidamente e as deletérias fossem descartadas. Nada disso ocorre no processo de reprodução assexuada.

Até agora, essa vantagem não passava de uma teoria. A novidade é que foi comprovada experimentalmente.

O experimento foi feito com o fungo que usamos para fazer cerveja e outras bebidas alcoólicas, o Saccharomyces cerevisiae. Esse fungo se reproduz de maneira sexuada ou assexuada, dependendo da situação. Os cientistas produziram uma população desse fungo. Metade foi colocada em condições que só permitia a reprodução assexuada e a outra foi liberada para praticar o sexo. Ambas as populações foram desafiadas a se adaptar a um mesmo ambiente. As populações foram acompanhadas por 3 mil gerações. Seria o equivalente a acompanharmos uma população humana por 75 mil anos (assumindo que a duração de uma geração entre humanos é de 25 anos).

Ao longo dessas 3 mil gerações os cientistas foram analisando o que acontecia com as novas mutações que apareciam nas duas populações. Para isso, o genoma das populações foi analisado ao longo do tempo. O resultado demonstrou que novas mutações, boas e más, surgiram com a mesma frequência em ambas as populações, mas ao longo do tempo as mutações boas se espalharam mais rapidamente na população que praticava o sexo e mais lentamente na população assexual. As mutações prejudiciais se mantiveram por mais tempo na população assexual e foram eliminadas pela seleção natural mais rapidamente nas populações de reprodução sexuada.

Esse resultado demonstra que o processo de seleção natural ocorre mais rapidamente em populações que usam a reprodução sexuada. É como se o sexo acelerasse a evolução.

Se a reprodução sexuada não tivesse surgido, o processo de seleção natural seria muito mais lento. Seguramente não estaríamos aqui descobrindo que o sexo não só é bom, mas acelera nossa capacidade de adaptação a novos ambientes. E essa é uma vantagem que supera de longe a energia gasta na prática da reprodução sexuada. Pense nisso na próxima vez que achar que dá muito trabalho ter uma vida sexualmente ativa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.