Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

SP recebe mais 1 milhão de doses de vacina contra febre amarela

Reforço foi acertado entre o governador Geraldo Alckmin e ministro da Saúde, Ricardo Barros, por conta do aumento de casos na capital

Ligia Formenti, Brasília

13 Janeiro 2018 | 14h20

O Ministério da Saúde vai enviar nesta semana mais 1 milhão de doses de vacina contra febre amarela para São Paulo. O reforço foi acertado num telefonema nesta sexta entre o ministro Ricardo Barros e o governador Geraldo Alckmin, diante do crescimento expressivo da demanda. Na última semana, com o aumento de casos da infecção no Estado, houve uma corrida aos postos de saúde. Longas filas se formaram, mesmo em áreas consideradas livres de risco.

Pelos cálculos do Ministério da Saúde, com o reforço, o potencial de pessoas que receberão a imunização sobre para 7,3 milhões em 53 municípios, incluindo a capital.

Conforme o Estado antecipou, São Paulo inicia a partir de fevereiro o fracionamento da vacina de febre amarela em locais considerados prioritários. A estratégia vai até dia 24 de fevereiro. A expectativa é imunizar 6,3 milhões de pessoas. Desse total, 4,9 milhões deverão receber a dose fracionada (com um quinto da vacina integral) e 1,4 milhão, a dose padrão.

Bahia e Rio também vão aplicar a vacina fracionada, mas a partir de 19 de fevereiro. Nesses dois Estados, as campanhas com doses fracionadas, realizadas em cidades consideradas prioritárias, será feita até 9 de março.  

Com fracionamento, um frasco com 5 doses da vacina de febre amarela pode vacinar 25 pessoas. Embora a dose seja menor, estudos demonstram que a vacina fracionada oferece a mesma proteção de que a vacina integral. A diferença é o tempo de proteção. Com doses menores, a vacina tem uma proteção de 8 anos. De acordo com as recomendações atuais, com a vacina integral basta apenas uma dose da vacina, sem necessidade de reforço.

O Ministério da Saúde decidiu ampliar a área de vacinação diante da expansão da circulação do vírus e da identificação de casos de macacos infectados em áreas muito populosas. Não há, de acordo com a pasta, informações de casos de febre amarela urbana. O infectologista e coordenador Controle de Doenças da Secretaria de Saúde de São Paulo, Marcos Boulos, disse ser mínimo o risco de reintrodução da febre amarela urbana. O último caso registrado no País foi em 1942. “A transmissão da forma urbana é feita pelo Aedes aegypti. O que se acredita, no entanto, é que nos últimos anos o mosquito em circulação no País perdeu em parte a capacidade de transmitir o vírus da febre amarela”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.