Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Surto de hepatite A na favela do Vidigal interdita três pontos

Locais são um poço artesanal, o chuveiro da praia e uma loja onde foi identificado um lote de água mineral contaminada

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

11 Janeiro 2018 | 20h18

RIO - Encravada no meio de São Conrado, um dos bairros mais ricos do Rio de Janeiro, a favela do Vidigal, na zona sul, enfrenta realidade muito diferente da dos vizinhos abastados. Um surto de hepatite A já levou à interdição de três pontos da região que apresentaram resultado positivo para o vírus da doença.

+++ Em 1 ano, casos de hepatite A saltam de 64 para 559 em SP; vírus mata dois

Os locais interditados são um poço artesanal, o chuveiro da praia e uma loja onde foi identificado um lote de água mineral contaminada. Um restaurante também foi fechado na tarde desta quinta-feira, 11, por falta de licenciamento sanitário e 

alvará de funcionamento.

+++ Vacina da hepatite A permanece eficaz por 10 anos

Embora não seja uma doença especialmente grave, a hepatite A é um indicativo das precárias condições de tratamento de água e esgoto. Os testes foram feitos pelo Laboratório de Desenvolvimento Tecnológico em virologia da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A Secretaria Municipal de Saúde informou que novas coletas, em outros pontos, estão sendo feitas. O objetivo é identificar outros focos de contaminação pelo vírus. 

+++ Saúde confirma surto de hepatite A em município do Rio

Os especialistas pediram aos moradores que adotem medidas preventivas contra a doença. Entre elas, estão lavar as mãos com frequência e só usar água fervida ou filtrada para beber e preparar alimentos. Além disso, explicaram, os reservatórios, filtros e garrafas devem ser higienizados com hipoclorito de sódio. O produto tem sido distribuído a moradores pela prefeitura.

Pelo menos 80 casos da doença já foram confirmados na comunidade. Embora exista vacina contra a hepatite A, a maioria das pessoas mais velhas nunca foi imunizada. 

 

Em geral, a hepatite A não é uma doença grave, como explica a hepatologista Vivian Rotnan, do Hospital Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

"Raramente pode haver um quadro de hepatite mais grave", explicou a especialista. "Mas, na maioria das vezes, ela é assintomática, a pessoa nem sabe que teve. E também não evolui para uma doença crônica."

O presidente da Associação dos Moradores do Vidigal, Sebastião Aleluia, disse que o clima na comunidade é de muita apreensão. "Estamos à beira do pânico", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.