Taxas de câncer de mama caem com redução do uso de terapia hormonal

Número de pacientes que usam tratamento durante menopausa caiu no Canadá

Reuters

24 Setembro 2010 | 11h55

CHICAGO - As taxas de câncer de mama entre as mulheres pós-menopáusicas em Portugal caiu quase 10 por cento depois que saberem, em 2002, que a terapia de reposição hormonal pode aumentar o risco de doença disseram especialistas.

 

A queda coincidiu com uma redução acentuada no uso destas drogas após a publicação da Iniciativa pela Saúde da Mulher, que revelou um aumento do risco de câncer de ovário e câncer de mama, além de acidentes cerebro-vasculares e outros problemas com o uso da terapia hormonal.

 

Antes de 2002, os médicos amplamente prescreviam a terapia de reposição hormonal (TRH) para reduzir o risco de doença do coração ou osteoporose, duas condições que aumentam dramaticamente depois da menopausa.

 

Para ver se a queda no uso de TRH afeta as taxas de câncer de mama, a equipe de Prithwish, da Sociedade Canadense do Câncer, analisaram dados de vários registros canadenses e um inquérito nacional de saúde entre as mulheres com 50 anos a 69 anos.

 

Os pesquisadores controlaram especificamente as prescrições de TRH, a incidência de câncer de mama, a taxas de utilização da mamografia e do auto-relatados da terapia de reposição hormonal por mulheres.

 

A equipe descobriu que, em 2002, 12,7% do mulheres canadenses 50 a 69 anos usaram a TRH, mas o número caiu para 4,9% em 2004.

 

Durante o mesmo período, as taxas de câncer de mama diminuíram 9,6 % e permaneceram estáveis as mamografias.

 

Segundo os autores, a queda estaria relacionada à cobertura dos médicos sobre o Women's Health Initiative, além de um estudo britânico chamado Million Women Study, que mostrou aumento no risco de câncer de mama com o uso de terapia de reposição hormonal.

 

Atualmente, os médicos recomendam a TRH para mulheres com sintomas graves menopausas, mas advertem que seu uso deve ser na menor dose pelo menor tempo possível.

 

 

Mais de 400.000 mulheres morrem anualmente por câncer de mama em todo o mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.