Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Saúde

Saúde » Terapia de estimulação não chega a um terço dos bebês com microcefalia

Saúde

Rafael Arbex/Estadão

Saúde

Jundiaí

Terapia de estimulação não chega a um terço dos bebês com microcefalia

Situação contraria protocolo elaborado pelo próprio Ministério da Saúde, que, em 2016, destacou a importância da intervenção precoce

0

Fabiana Cambricoli ,
O Estado de S.Paulo

15 Abril 2017 | 03h00

SÃO PAULO - Nascida em outubro de 2015, no Recife, Giovanna foi uma das primeiras bebês vítimas do surto de microcefalia associado ao zika. Hoje com 1 ano e 5 meses, ela ainda aguarda uma vaga para fazer fisioterapia, fono e outras terapias que poderiam aliviar os problemas de desenvolvimento causados pela má-formação. Vítima da mesma epidemia, Mikaelly nasceu em fevereiro de 2016, em Jundiaí, interior de São Paulo, e também está na fila de espera pelo tratamento de reabilitação.

Esses casos não são exceção. Dados inéditos do Ministério da Saúde mostram que um em cada três bebês com diagnóstico confirmado de microcefalia não teve acesso às terapias de estimulação precoce. O cenário foi encontrado em levantamento feito pelo ministério no fim de 2016 e publicado no site da pasta no mês passado.

O objetivo inicial da pesquisa, batizada de Estratégia de Ação Rápida, era identificar casos suspeitos de microcefalia, confirmar o diagnóstico e oferecer atendimento especializado. Ao fim da ação, em novembro, o ministério constatou que 2.347 bebês tiveram a má-formação confirmada e 1.524 deles (64,9%) eram atendidos em serviços de estimulação precoce.

Mas as estatísticas parciais de 2017 mostram situação ainda pior. Dos 156 bebês nascidos com microcefalia entre 1.º de janeiro e 15 de março deste ano, apenas 32 (20,5%) tiveram acesso às terapias de reabilitação.

A situação contraria o protocolo elaborado pelo próprio ministério em 2016 com diretrizes para o atendimento a bebês com microcefalia. No documento, a pasta ressalta a importância da intervenção precoce, tendo em vista que é no início da vida que o cérebro tem maior capacidade de estabelecer novas conexões. “O acolhimento e o cuidado a essas crianças e a suas famílias são essenciais para que se conquiste o maior ganho funcional possível nos primeiros anos de vida”, relata trecho do protocolo.

Atraso. As consequências da falta de estimulação são sentidas por famílias de crianças que ainda não começaram o tratamento. “Ela não senta, não rola, não consegue segurar um brinquedo”, diz Gleyse Kelly Cavalcanti, de 29 anos, mãe de Giovanna e vice-presidente da União de Mães de Anjos (UMA), que reúne famílias de bebês afetados pela má-formação.

Ela conta que a filha chegou a conseguir uma vaga na AACD do Recife para fazer fisioterapia, mas voltou para a fila de espera ao ter de se afastar do tratamento por causa de uma grave conjuntivite. “Ela fez três meses de fisio e, então, pegou conjuntivite. Eu levei os atestados para justificar as faltas, mas eles pediram para eu voltar para a fila de espera para que outra criança fosse atendida. O problema é que já faz dez meses que ela está nessa lista”, diz.

Membro do Departamento Científico de Infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria e chefe do setor de infectologia pediátrica do Hospital Universitário Oswaldo Cruz, Maria Angela Rocha afirma que as terapias de estimulação não só melhoram o desenvolvimento motor e cognitivo da criança, mas também são fundamentais para a prevenção de complicações associadas à microcefalia. “Muitas crianças com danos neurológicos têm problemas de deglutição. Isso aumenta o risco de aspiração de alimentos. Nesses casos, as sessões de fonoaudiologia são muito importantes.”

Mikaelly é uma das bebês que têm dificuldades para engolir por causa da microcefalia. “Nos primeiros meses, ela costumava engasgar muito. É uma situação difícil. Eu já sou sozinha para cuidar dela, tive que largar emprego e ela ainda fica sem os tratamentos de reabilitação”, conta a mãe, a dona de casa Amanda Claudiane Evaristo de Souza Silva, de 20 anos.

Questionado, o Ministério da Saúde informou que vem investindo na abertura de novos serviços de saúde. “Foram destinados R$ 114,3 milhões para custear o atendimento em Centros Especializados em Reabilitação (CER) e novas equipes de Núcleos de Apoio de Saúde da Família”, disse a pasta. O ministério afirma que 52 novos CERs foram abertos desde outubro do ano passado. A pasta ressaltou ainda que são os médicos especialistas os responsáveis por decidir quais tratamentos e terapias serão indicados em cada caso. Segundo a pasta, 80% dos bebês passaram por esse atendimento especializado.

Mais sequelas. Dois estudos brasileiros indicam que a infecção pelo zika pode causar mais danos do que os conhecidos ou provocar sequelas meses após o nascimento.

Em uma das pesquisas, cujos resultados foram publicados no periódico Acta Neuropathologica, um grupo de patologistas analisou amostras de tecido cerebral de dez bebês que morreram após o parto e cujas mães haviam sido infectadas pelo zika na gestação. Os cientistas verificaram que cinco crianças haviam desenvolvido hidrocefalia (acúmulo de líquido no cérebro).

“Nesses casos, a lesão provocada pelo zika era muito mais grave, estava no tronco cerebral. Ali, a calcificação e a destruição eram muito intensas”, explica a líder do estudo, Leila Chimelli, neuropatologista do Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer, membro da Sociedade Brasileira de Patologia e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Outro achado nesse estudo foi o caso de um bebê com indícios de insuficiência renal possivelmente associada à infecção pelo zika. O vírus foi encontrado nos rins da criança.

Um segundo estudo, ainda em andamento e coordenado pelo médico Saulo Duarte Passos, professor da Faculdade de Medicina de Jundiaí, descobriu o caso de um bebê nascido sem microcefalia, mas cuja cabeça parou de crescer aos dois meses de vida. “Hoje o bebê tem seis meses e o perímetro cefálico está estagnado desde então. Esse caso mostra a importância do acompanhamento também dos bebês que nascem sem nenhuma anormalidade”, conta.

O estudo foi iniciado há um ano para acompanhar 700 gestantes da região de Jundiaí e seus respectivos bebês, independentemente da ocorrência de zika na gravidez. Do total, 526 já deram à luz e 46 crianças nasceram com microcefalia. “A incidência da má-formação na região surpreendeu, até porque inicialmente o grande número de casos estava concentrado no Nordeste”, diz Passos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.