1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Venda de imóveis da Santa Casa por gestão anterior é investigada

- Atualizado: 11 Janeiro 2016 | 20h 59

Suspeita é de que acerto com funcionários do hospital foi feito a preços muito abaixo dos valores de mercado

Santa Casa vive grave crise financeira

Santa Casa vive grave crise financeira

A antiga direção da Santa Casa de São Paulo, encabeçada pelo advogado Kalil Rocha Abdalla, é suspeita de vender vários imóveis da instituição para funcionários do hospital e a preços muito abaixo do valor de mercado. Entre as supostas irregularidades está a venda de três apartamentos em São Vicente, na Baixada Santista, por R$ 3.400 cada a uma diretora da entidade. O valor estimado de cada um dos imóveis é de R$ 150 mil.

As supostas irregularidades na venda de imóveis, reveladas no domingo pelo jornal Folha de S. Paulo, foram descobertas por uma sindicância interna iniciada em novembro pela atual direção da instituição, eleita em junho - após a renúncia de Abdalla, investigado pelo Ministério Público Estadual. Atualmente, o médico José Luiz Setúbal ocupa o cargo de provedor.

A apuração interna ainda está em curso e inclui um pente-fino nos atuais 278 imóveis da Santa Casa e também nos bens que já foram vendidos. Em pelo menos dez transações foram encontrados indícios de irregularidade. Se comprovadas, poderão levar à demissão dos funcionários e a processos criminais.

A reportagem tentou contatar Abdalla nesta segunda-feira, 11, por telefone, mas não obteve retorno. A troca de direção aconteceu durante a maior crise financeira da instituição. Em julho de 2014, o então provedor fechou o pronto-socorro do hospital central por 30 horas, alegando falta de recursos para a compra de materiais e medicamentos. Uma auditoria feita pelo governo do Estado revelou que o déficit da entidade passou de R$ 80 milhões para R$ 800 milhões durante os seis anos da gestão Abdalla.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX