José Luís da Conceição/Estadão
José Luís da Conceição/Estadão

Para viagem internacional só vale vacina padrão de febre amarela

Governo alerta que quem receber dose fracionada terá de esperar 30 dias para nova aplicação; ministro garante que não faltará

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

11 Janeiro 2018 | 17h03
Atualizado 11 Janeiro 2018 | 22h30

SÃO PAULO - Brasileiros que pretendem viajar a um país que exige a vacinação contra a febre amarela deverão tomar a dose padrão do imunizante, e não a fracionada, informou nesta quinta-feira, 11, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

+++ Ministro garante que não faltará vacina contra febre amarela

+++ Procura de vacina contra febre amarela cresce 15 vezes em São Paulo

Segundo nota divulgada no site do órgão, “não será emitido Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia, em hipótese nenhuma, para quem apresentar comprovante de vacinação com etiqueta referente à dose fracionada”. O certificado é obrigatório para a entrada nos países que pedem a vacina.

+++ 'Foi um erro não ter tomado a vacina', diz irmão de vítima da febre amarela

A imunização com doses fracionadas foi anunciada nesta semana pelo Ministério da Saúde e será adotada em 75 municípios dos Estados de São Paulo, Rio e Bahia. “Há oito anos, nossos pesquisadores acompanham os resultados em pessoas que receberam a dose fracionada e a imunização é a mesma das que receberam a dose padrão”, disse nesta quinta o ministro Ricardo Barros, durante visita a um hospital público de Itapetininga, no interior de São Paulo. Ele também garantiu que não haverá falta de vacina contra a febre amarela no País. 

O objetivo do fracionamento é justamente aumentar a cobertura vacinal diante do avanço da doença em algumas áreas do País, como a região metropolitana de São Paulo, que confirmou as primeiras mortes no fim da semana passada. A meta é vacinar 19,7 milhões de pessoas nesses três Estados - 15 milhões receberão a dose fracionada.

De acordo com a Anvisa, os viajantes internacionais fazem parte do grupo da população que deve receber a dose padrão. Integram esse grupo ainda crianças de 9 meses a menores de 2 anos; pessoas com condições clínicas especiais (vivendo com HIV/aids, ao fim do tratamento de quimioterapia e pacientes com doenças hematológicas, entre outras) e gestantes.

 

Duas doses

Os moradores de cidades que receberão a campanha com doses fracionadas, mas que forem viajar a um País que exige a vacina, poderão buscar a dose padrão em qualquer unidade de saúde mediante comprovante de viagem, como a passagem aérea. O Ministério da Saúde esclareceu que, nos casos em que a pessoa tomar a vacina fracionada, mas descobrir posteriormente que precisará tomar a dose padrão por causa de uma viagem, a imunização poderá ser repetida, mas o viajante deverá esperar 30 dias entre uma dose e outra. / COLABOROU JOSÉ MARIA TOMAZELA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.