1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Vítima de anticoncepcional Contracep ganha ação na Justiça

Chico Siqueira, especial para o Estado

17 Setembro 2009 | 14h 44

Além de indenização, laboratório foi condenado a pagar pensão até que o filho de Kátia complete 21 anos

O laboratório EMS Sigma Pharma foi condenado a indenizar em R$ 100 mil, por danos morais, a dona de casa Kátia de Souza Floriano, de 32 anos, que engravidou mesmo tomando o anticoncepcional Contracep, fabricado e distribuído pela empresa. Além da indenização, o laboratório também foi condenado a pagar pensão mensal de três salários mínimos até que o filho de Kátia, hoje com um ano e quatro meses, complete 21 anos.

 

Kátia comprou o medicamento, injetável, numa farmácia de Adolfo, cidade onde mora, a 494 km de São Paulo. Tomou duas doses, em agosto e outubro, mas na metade de novembro descobriu que estava grávida de dois meses. Pela bula, cada dose deveria prevenir a gravidez por três meses, o que não ocorreu. Laudos do Instituto Adolfo Lutz consideraram o anticoncepcional insuficiente para impedir a gravidez.

 

A sentença do juiz Lucas Figueiredo Alves da Silva, do Fórum de José Bonifácio, comarca de Adolfo, é passível de recurso. Por isso, segundo a advogada de defesa, Flávia Longhi, sua cliente vai recorrer na tentativa de aumentar o valor da indenização. Procurada, a assessoria de imprensa do laboratório não retorno até as 13h45 sobre se vai recorrer ou não da sentença.