Vítima de erro médico não será mais exumada no Rio

Família desistiu de fazer o pedido ao saber que cérebro dela foi retirado antes do enterro e está no IML

Talita Figueiredo, de O Estado de S. Paulo,

10 Março 2009 | 19h24

A família da dona de casa morta no sábado, supostamente depois de ser submetida a uma cirurgia no lado errado do cérebro, desistiu nesta terça-feira, 10, de pedir exumação do corpo depois de a polícia informar que o cérebro dela foi retirado antes do enterro e se encontra no Instituto Médico Legal. "Se o cérebro foi removido, a perícia será capaz de identificar as lesões e o motivo da morte, por isso não vamos mais pedir a exumação", explicou o advogado que atende a família, Ricardo Alves Rodrigues.   Veja também:  Ligação anônima avisou sobre erro em cirurgia do cérebro  Corpo de suposta vítima de erro médico é enterrado no Rio   Verônica Cristina do Rego Barros, de 31 anos, teria caído e batido a cabeça. Um coágulo se formou, segundo tomografia computadorizada, no lado esquerdo do cérebro. No Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha (zona norte), o neurocirugião responsável pelo caso teria operado o lado direito do cérebro. Rodrigues entregou ontem ao delegado que coordena o inquérito, Felipe Ettore, os exames feitos por Verônica. O resultado dos testes feitos pelo IML deverão ficar prontos na semana que vem. Segundo o delegado, apenas depois de receber os laudos os médicos que atenderam Verônica serão chamados para depor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.