Voluntários do voo simulado para Marte completam 1 mês em isolamento

Os participantes do projeto Mars 500 se comunicam com o mundo exterior via e-mail

EFE

05 Julho 2010 | 18h21

seis voluntários envolvidos numa simulação de voo a Marte, que durará 520 dias, sentem saudades de casa um mês depois que o projeto começou, mas não têm intenção de abandoná-lo, informou o Instituto de Problemas Biomédicos (IPBM) da Academia de Ciências da Rússia.

 

Voluntários começam simulação de viagem a Marte de 520 dias

 

"Passou o primeiro mês de voo. Os membros da tripulação se sentem bem, mantêm sua forma física, continuam acondicionados em seus camarotes e fazem experimentos científicos", destacou um porta-voz do IPBM, em cujas instalações se realiza a simulação.

 

Os participantes do projeto Mars 500 se comunicam com o mundo exterior via e-mail, especialmente com seus familiares.

 

Segundo o porta-voz do instituto, os "marsonautas" estão muito bem e passam o tempo livre juntos.

 

"Naturalmente, como todo o mundo, sentem saudades de sua família e amigos, mas desde o princípio sabiam do que se tratava e estão preparados para o experimento", declarou a fonte à agência Interfax.

 

Este mês os seis voluntários têm mais motivos para passar tempo juntos, já que três deles fazem aniversário.

 

No dia 12 de julho o francês Romain Charles completa 32 anos; dois dias depois é a vez do russo Sujrob Kamólov fazer 38 e no dia 25 o chinês Wang Yue comemora seu 28º aniversário.

 

Os outros três integrantes da tripulação são os russos Alexei Sítev e Aleksandr Smolenski e o ítalo-colombiano Diego Urbina.

 

O experimento, que começou no dia 3 de junho, servirá para estudar a compatibilidade psicológica e a tolerância dos membros de uma tripulação durante um voo interplanetário.

 

Seus participantes compartilharão durante pouco menos de um ano e cinco meses aproximadamente os 550 metros cúbicos que somam os quatro módulos cilíndricos que formam o simulador.

 

Eles permanecerão isolados do mundo exatamente o tempo que leva o voo de ida e volta a Marte, 490 dias, mais outros 30 de estadia simulada no planeta vizinho.

 

Na fase "marciana" do experimento se empregará um simulador da superfície do planeta vermelho, de 1,2 mil metros cúbicos, que os participantes visitarão usando trajes especiais.

 

A Agência Espacial Europeia (ESA) e a russa Roscosmos lançaram este ambicioso projeto em 2004, ao que a China se uniu posteriormente e no qual também colaboram outros países.

 

Em novembro de 2007 foi realizado o primeiro experimento preparatório no qual seis voluntários russos permaneceram isolados do exterior durante duas semanas, enquanto em julho do ano passado aconteceu uma simulação de voo ao planeta vermelho de 105 dias.

 

Segundo as normas do experimento, qualquer participante que desejar poderá abandonar seu isolamento voluntário sem a necessidade de explicar os motivos.

 

Se isto ocorrer, o "marsonauta" será considerado falecido durante o voo.

Mais conteúdo sobre:
marte mars 500 rússia esa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.