1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Zika é encontrado no sêmen 62 dias após diagnóstico, diz estudo

- Atualizado: 12 Fevereiro 2016 | 16h 37

Pesquisa com homem britânico contaminado em 2014 indica que vírus pode permanecer no fluido por mais tempo do que o esperado

Um grupo de cientistas britânicos encontrou restos do zika vírus no sêmen de um homem 62 dias depois que foi diagnosticado com a doença, o que indica que o vírus poderia permanecer no fluido por mais tempo do que o esperado.

As conclusões do estudo, elaborado por cientistas da agência executiva do Departamento de Saúde britânico (PHE, na sigla em inglês), foram antecipadas nesta sexta-feira, 12, pelo site da revista "Emerging Infectious Diseases", dos Centros para o Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, antes de sua publicação em maio.

5 orientações da OMS sobre o zika vírus
REUTERS
Mulheres grávidas devem estar preocupadas com o zika vírus?

Embora os sintomas associados com zika sejam geralmente leves, uma possível associação foi observada entre o aumento anormal de zika e casos de microcefalia no Brasil desde 2015.

A pesquisa provou que um homem britânico de 68 anos, contagiado pelo zika em uma viagem às Ilhas Cook em 2014, mostrou restos do vírus no sêmen (não no sangue nem na urina) tanto no 27º dia após a detecção do contágio como no 62º. /EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em SaúdeX