As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Falar: uma grande arma para ajudar no combate ao câncer

Adriana Moreira

04 de fevereiro de 2022 | 06h44

No último fim de semana, o apresentador Tiago Leifert e sua mulher, a jornalista Daiana Garbin, divulgaram que sua filha Lua, de 1 ano e 3 meses de idade, estava com um câncer raro na retina. No ano passado, a jornalista Lilian Ribeiro abriu o jornal que apresentava na GloboNews explicando que ia se apresentar de uma forma diferente, com um lenço, pois estava em tratamento de câncer de mama. O comentarista e ex-jogador de futebol Caio Ribeiro também abriu o jogo sobre seu linfoma de Hodgkin.

O que esses casos têm em comum, além do câncer? Todas essas pessoas decidiram enfrentar seus medos – da exposição, da doença, do julgamento das outras pessoas – para falar sobre câncer. Hoje, 4 de fevereiro, Dia Mundial de Combate ao Câncer, posso dizer que essa é uma das maiores formas de combate à doença: colocá-la sob os holofotes.

Quanto mais pessoas falam sobre o câncer, mais pessoas têm acesso a informação sobre a doença. É mais fácil cobrar mais políticas públicas para acelerar exames e tratamentos de quem se trata pela rede pública. Quem está em tratamento não se sente uma exceção, um “azarado”, e encontra conforto com quem passa pelos mesmos desafios.

Já falei aqui por que decidir falar abertamente sobre meu diagnóstico de câncer de mama e porque estimulo as pessoas a fazerem o mesmo. Ninguém precisa se expor nas redes sociais, logicamente, mas não tratar a própria doença como um tabu faz bem para todos os envolvidos.

Se eu fiz o autoexame que me propiciou descobrir que algo estava errado, foi por causa das campanhas na TV, das amigas que também tiveram câncer e contaram como descobriram, da minha mãe, que se tratou sem perder nunca o bom astral, mesmo nos dias mais difíceis. Quando me descobri doente, pude procurar conforto nessas mesmas pessoas que um dia eu confortei.

Achei que seria egoísmo da minha parte não retribuir. E a melhor maneira de retribuir é oferecer informação para quem passa pelo mesmo processo.

No próximo mês vai fazer um ano que fui diagnosticada com câncer de mama. Passei por quimioterapia e radioterapia. E conheci muita gente em tratamento, não só de câncer de mama, mas de outros tipos também. Pessoas com quem tive trocas incríveis, que eu ajudei e que também me ajudaram. Recebi dicas, repassei dicas, chorei e enxuguei lágrimas. E estou aqui, com o cabelo crescendo e tomando tamoxifeno (hormonioterapia) pelos próxomos anos.

Lilian Ribeiro postou há poucas semanas que tinha encerrado seu ciclo de quimioterapias. Caio Ribeiro já tem cabelo novamente e está curado de seu linfoma. E espero que, em breve, as notícias sobre a pequena Lua também sejam positivas.

Neste dia de combate ao câncer, todo mundo pode fazer sua parte. Você pode divulgar este texto, por exemplo. Ou qualquer outro que fale sobre a doença. Pode oferecer apoio a alguém, pode participar de consultas públicas, pode cobrar autoridades para oferecer tratamento de qualidade e diagnóstico precoce. Pode doar cabelo e lenços. Pode manter seus exames em dia, já que quanto mais cedo se descobre o câncer, maiores as chances de cura. E pode estimular outras pessoas a fazerem seus exames regularmente também.

Também pode aderir à campanha que a Abrale está fazendo hoje. A ideia é que todos saiam (ou postem uma foto) de lenço para chamar a atenção para o câncer: pode ser na cabeça, no pescoço, como cinto, na bolsa… Use #vadelenco nas redes sociais.

Deixo aqui alguns a sugestão de alguns perfis no Instagram que não se isentam de oferecer informação sobre câncer. Cada um a seu modo me ajudou nesse período – e pode ajudar você também.

Oncoguia (@oncoguia)
A ong oferece informações sobre tratamentos, prevenção e direitos do paciente com câncer. Regularmente, há palestras, eventos e lives para tratar de diversos aspectos relacionados ao câncer

Femama (@femama.brasil)
A Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama reúne 70 instituições do país que têm como objetivo ampliar o acesso rápido e adequado ao diagnóstico e ao tratamento do câncer de mama.

Abrale (@abraleoficial)

O perfil da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia traz informações sobre as doenças, direitos dos pacientes, lives e campanhas.

Graacc (@instagraacc)
O Grupo de Apoio à Criança e ao Adolescente com Câncer (Graac) tem 30 anos de atuação no combate e cura do câncer em crianças e adolescentes. A jornalista Daiana Garbin realizou esta semana uma palestra no perfil da entidade, junto com a oncologista pediátrica Carla Macedo, sobre o retinoblastoma, o câncer que acometeu sua filha Lua.

Dr. Abraão Dornellas (@dr.abraaodornellas)
Médico oncologista do Hospital Albert Einstein, ele sempre dá dicas e responde dúvidas em seu perfil

Instituto Vencer o Câncer (@vencerocancer)
Criado pelos médicos Drauzio Varella, Fernando Maluf e Antonio Buzaid, oferece informações sobre câncer, tratamentos e direitos dos pacientes

Dra Fabiana Makdissi (@drafabianamakdissi)
Mastologista do AC Camargo Cancer Center, ela também já teve câncer de mama. Conta sua rotina e dá dicas preciosas às pacientes

Dr. Fernando Maluf (@drfernandomaluf)
Oncologista do Hospital Albert Einstein, realiza lives sobre temas relacionados ao câncer e responde questões

Patricia Arraes (@patriciaarraesnutri)
Nutróloga especializada em oncologia, oferece palestras, aulas e lives em que dá dicas alimentares para pacientes e também para quem quer viver uma vida mais saudável

@Paliativas
Convivendo com um câncer metastático desde 2011, a Ana Michelle Soares também coordena a @casapaliativa, que oferece informações para familiares e pacientes com câncer metastático. Em seu perfil, ela conta um pouco de sua experiência com o câncer

Câncer Sem Tabu (@cancersemtabu)
Depoimentos e informações sobre câncer feito por pacientes e ex-pacientes

@vidaavivida
A Maria Laisa convive com um câncer metastático desde 2012. O perfil dela é puro astral, repleto de vídeos dela dançando com amigas em vários lugares

De Bem com Você @debemcomvoceoficial
O programa ligado à Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec) oferece cursos e oficinas de automaquiagem para mulheres em tratamento

Rapunzel Solidária (@rapunzelsolidaria)
A organização recolhe cabelos e faz perucas para pessoas em tratamento de câncer

Instituto Cabelegria (@cabelegria)

Assim como o Recebe doações de cabelos para fazer perucas e doar para crianças em tratamento

Tem mais perfis para indicar? Conta pra mim lá no Twitter: @adrikka

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.